O humor burocrático



Ontem, pois já estamos no início da madrugada de quinta, ao acompanhar o jogo do Brasil tentei me colocar no lugar de Mano Menezes.

Tudo bem que ele ganha e muuuuito bem para isso, tudo bem que teve quase um ano para formar um esboço de time, coisa que ainda não fez, mas falarmos e criticarmos, nós que estamos de fora, não deixa de ser fácil.

Houve muita ironia à seleção, como se ela estivesse passeando na Argentina, piadinhas sem graça sobre Júlio César, comentários desrespeitosos até, comentários que mudaram um pouco de tom quando o Brasil chegou ao quarto gol e só não alcançou o quinto devido a uma falha de arbitragem…

Falar é fácil, caçoar dos outros também… Ainda se o humor fosse inteligente, mas nem isso era. Era um humor burocrático. E humor burocrático não é humor. Humor é uma forma de você ver o lado engraçado de algo que é realmente triste, como já dizia Woody Allen. Isso são poucos os que sabem fazer. Um deles é José Simão, da “Folha”, outro é Renato Maurício Prado, de “O Globo”.

Não estou entre os maiores fãs de Mano Menezes, mas fico pensando que há momentos em que ele tem que ter uma paciência… E tem que ter, pois faz parte das suas atribuições. Mas crítica é uma coisa, falta de respeito é outra.

Podem dizer o que quiserem do Galvão Bueno, mas ontem, mesmo quando a situação esteve complicada para o Brasil, ele foi comedido. Não ridicularizou ninguém, nem Júlio César. Manteve o respeito. Porque a seleção não está na Argentina para brincadeira. Na média dos três jogos atuou bem abaixo do esperado, mas é só a gente ver a forma como Pato comemorou seu primeiro gol que é impossível dizer que o Brasil foi à Argentina fazer compras. Porque cá entre nós os jogadores não precisam ir pra lá pra economizar uns trocados em eletrônicos, roupas ou o que seja. Muito menos ouvir piadas de quem tem senso de humor zero. Zero.



  • Fabio

    A imprensa vai de acordo com a maré. Analista de obra pronta é fácil. Reparei a mesma coisa no jogo de ontem, quando fiquei zapeando entre vários canais. Falta controle emocional pra quem está falando. Se você não respeita o próximo quando ela erra, como acha que tem direito que te respeitem?

    • janca

      Quando a gente está de fora, como parece ser o seu caso e o meu, que não tinha um microfone nas mãos, talvez seja ainda mais fácil. Mas o microfone é uma arma e temos que tomar todo cuidado ao usá-lo. Não sou contra piadas, brincadeiras, aliás costumo brincar e fazer muita piada _dos outros e de mim mesmo_, mas não pode faltar o respeito. Principalmente quando você está no ar. Isso vale para o Mano, que cumpre uma função não apenas no gramado, mas para quem está comentando a seleção para milhões de pessoas também. Abs. e valeu pelo comentário, João

  • André

    A imprensa é incoerente e chata. Por isso assisto na ESPN porque o PVC é uma exceção, fala de tática e não fica fazendo campanha contra nem a favor de ninguém. Nem por isso continuo dizendo meu fora Mano, você tá mal demais, errou feio ontem de novo, três jogos, três fracassos. Ontem era contra o Equador, meu, se liga.

    • janca

      Não estou defendendo a permanência do Mano Menezes, apenas dizendo que ele merece mais respeito, como Júlio César merece. E Pato, Neymar… Numa coisa ele, Mano, tem razão. Um dia Neymar é quase Deus, dois jogos depois já era um nada? Não defendo emissora de TV ou rádio A ou B, nem jornal X ou Y, apenas acho _e esse ponto de vista é pessoal_ que temos de ter noção quando fazemos uma brincadeira sobre terceiros no ar. Porque há brincadeiras de mau gosto e estas ferem. Abs.

MaisRecentes

Itaipava no Timão



Continue Lendo

Decepção são-paulina



Continue Lendo

Alessandro na frigideira



Continue Lendo