Nick Hornby



Para quem não conhece Nick Hornby, ele é um dos principais escritores ingleses da atualidade e um fã incondicional do futebol. É autor de “Fever Pitch”, que em português, ou melhor, no Brasil ganhou o nome de “Febre de Bola”, já que em Portugal acredito que se chama “Febre de Estádio”.

É seu primeiro livro, do início dos anos 90, autobiográfico, que fala de seu amor pelo futebol e pelo Arsenal. Apesar de também adorar futebol não acho que seja a melhor obra do autor, mesmo que muitos críticos a vejam assim até hoje.

Além do esporte, Hornby usa a música e especialmente as neuras e obsessões de seus personagens para desenvolver trabalhos incríveis.

Os três melhores, já que ele gosta de fazer uma listinha, são “About a Boy” ou “Um Grande Garoto”, no Brasil, livro que ganhou as telinhas, embora no papel seja bem mais interessante, “How to Be Good” ou “Como Ser Legal” e “A Long Way Down”, traduzido no Brasil como “Uma Longa Queda”.

Quando estive em Nova York, no final de maio, começo de junho, entrei numa livraria e vi um dos mais recentes trabalhos _talvez o mais recente_ do autor.

Pode ser que já haja tradução para o português, sinceramente não sei, mas em inglês chama-se “Juliet, Naked”.

Perguntei ao vendedor se ele havia lido e se achava bom, respondeu que não, que ficção lia apenas em jornal e olhe lá. Gostei do seu sarcasmo e, pelo sim, pelo não, como sou fã de Hornby, comprei o livro. Terminei de ler ontem e gostei bastante também.

Mas se fosse recomendar apenas uma obra do autor recomendaria… Bem, não conseguiria. Uma só é difícil pacas. Então recomendaria duas. “O Grande Garoto” e “Como Ser Legal”. Os títulos podem parecer bobinhos em português, mas os livros são muuuuito interessantes. Para quem gosta de boa literatura, fica aqui a sugestão… Ah! Tudo bem, se fosse recomendar uma obra só recomendaria “O Grande Garoto”. Que é tão bacana quanto um filme que vi duas vezes no cinema chamado “The Martian Child” ou “Ensinando a Viver”, em português, que conta a história de um homem que vai aprendendo a ser pai e um garoto que acha que veio de Marte e é adotado por ele e tem de aprender a ser filho.



  • Fabrício

    Caraca, muito bons seus textos, Janca. Li o Febre de Bola e é bom mesmo. Vou ver se leio algum outro que você sugeriu. Legal em Portugal ser Febre de Estádio. Acho que Febre de Estádio condiz mais com o livro, você não acha? Falou e continue assim, Fabrício

    • janca

      Acho sim, Fabrício, mas “Febre de Bola” é mais chamativo… Quer dizer, sinceramente não sei… É, acho que prefiro “Febre de Estádio” ou “Febre de Jogo”. Abs. e valeu pelo comentário, Janca

  • Dani

    Nick Nornby é muito bom mesmo. O Grande Garoto passou no cimema com o Hugh Grant fazendo o papel de “pai”, é um filme muito bom, como você também recomendo. Parabéns mais uma vez pelo blog, Dani

    • janca

      Valeu, Dani, e “O Grande Garoto” passou sim no cinema com o Hugh Grant, mas achei o livro melhor. Tem mais ironia, lendo os livros de Horny a gente consegue rir… da gente mesmo e isso é muito importante. Abs. João

  • Jarbas

    Caro Janca,

    O referido livro “Juliet Naked” tem versão traduzida no Brasil e o título é Juliet nua e crua; ótima leitura.

    • janca

      Pô, obrigado pela informação, Jarbas. Foi uma ótima leitura mesmo. Li em inglês, mas o título em português é ainda melhor, né? Abs. Janca

  • Fabio

    Salve, parabéns pelo blog.

    Muito bom, vou ver se devoro esses livros, conhecia o Alta Fidelidade dele, que você não citou e é muito bom também!!!

    Um abraço,
    Fabio

    • janca

      Pô, legal, Fabio, se você gostou do Alta Fidelidade certamente deve gostar dos demais. Pelo menos espero que goste. E obrigado pelos “parabéns” ao blog. Grande abraço, João

MaisRecentes

Os estádios do Santos



Continue Lendo

Defesa do Palmeiras



Continue Lendo

Grupo rachado



Continue Lendo