A crise do lanterninha



Voltando de Floripa, encontrei no aeroporto o time do Avaí, que viajava para Porto Alegre, onde amanhã pega o Grêmio.

Lanterna do Brasileiro, alguns jogadores eram cobrados por poucos torcedores presentes, que pediam para eles voltarem com os três pontos e começarem a sair desta situação mais do que incômoda.

Dois deles pediram mais esforço para o capitão William e seus companheiros.

Observando o embarque da equipe, pensei como os jogadores são constantemente cobrados e não têm preparo para lidar com tanta pressão. Lidar com pressão é muito difícil mesmo. Eu também tenho dificuldades. Mas eles são julgados a todo momento… E falta estrutura para encarar a fama, o assédio, as críticas, os aplausos, as vaias, os falsos amigos, os xingamentos, a lanterna…

O técnico Alexandre Gallo, contratado há duas rodadas e já com duas derrotas nas costas, era o mais procurado pelos repórteres. Na véspera reclamara publicamente do condicionamento físico de seus atletas. Emerson Buck, responsável pela preparação física quando o técnico era Silas e agora auxiliar de Elliot Alves, contratado por indicação de Gallo, ficou muito magoado.

Disse que o time está bem condicionado fisicamente, sim, e que a derrota para o Fluminense, na última rodada, foi de ordem tática, já que Gallo mudou o esquema do antigo 3-5-2 para o 4-4-2.

Se perder os dois próximos jogos, é possível que Gallo caia. E por mais que a torcida pressione, o seguinte, contra o Grêmio, que também precisa vencer pois está em má situação no campeonato e joga em casa, é das partidas mais complicadas para o Avaí.

Os jogadores, aparentemente, ficaram chateados com Gallo. E o que acontece no Avaí faz a gente refletir. O trabalho e o apoio psicológico aos jogadores são de extrema importância para qualquer clube da elite. Inclusive e principalmente nas divisões de base, em que a pressão e a cobrança já existem.

Também temos que ter muito cuidado com tudo o que falamos. Eu mesmo o que já falei de bobagem e me arrependi depois…

Mas um treinador deve refletir, quando aceita trabalhar num clube novo, quem vale levar, quem deve ser mantido, conhecer melhor o ambiente antes de palpitar, analisar o terreno, pois pode criar um mal-estar danado. Como aconteceu com Gallo no Avaí.



  • Claudio

    Just curious. Você é de São Paulo? Quando sai o resultado do documentário de vocês? Todos são cineastas? Consegui ver o teaser que é muito bom. Nos mantenha informado sobre isso, pelo que pude entender procurando dados do FAM o festival não acabou, acabou?

    • janca

      Sou um cidadão do mundo _rs. Mas sou paulistano, sim. Cineastas são o José Menezes e o Lucas Justiniano, Arturo é jornalista e historiador e eu sou metido mesmo. Brincadeira, sou jornalista e escritor. Abs. Ah! E o FAM-2011 termina na sexta, ou seja, depois de amanhã. Ainda volto a falar dele, pode deixar.

  • Fabricio

    Tá na cara que o Gallo falou o que não devia. Está com os dias contados. Bom alguém dar notícias do lanterna do Brasileirão, porque a imprensa só gosta de falar de quem está na frente, mas pelo visto tem história boa em quem está lá atrás.

MaisRecentes

Santos em SP



Continue Lendo

Fuga de patrocínio



Continue Lendo

Verdão vai às compras



Continue Lendo