Ingleses tentam anular Copa



A Associação Inglesa de Futebol, entidade que administra o esporte no país, irá pedir à Fifa a anulação da escolha do Qatar como sede da Copa de 2022.

O estopim da crise entre ingleses e Fifa foi a decisão de Joseph Blatter de manter no cargo de secretário-geral Jérôme Valcke.

Com a renúncia do ex-vice Jack Warner, que divulgou à imprensa que Valcke acusara o Qatar de ter comprado votos para ser escolhido como sede em 2022, Blatter resolveu encerrar o caso e seguir ao lado de Valcke.

Detalhe: Não é a primeira vez que Valcke cai em desgraça, mas se livrar dele não é tarefa fácil para o suíço que preside te a Fifa. Blatter tem consciência de que seu secretário-geral sabe demais. Se resolver abrir a boca de repente a casa cai.

O parlamentar inglês Damian Collins já recebeu o pedido da associação inglesa e está reunindo provas para mostrar ao mundo que a escolha do Qatar foi um jogo de cartas marcadas e que nova eleição para 2022 deveria ser feita.

Conta com o apoio do Change Fifa, um movimento que propõe uma série de mudanças na entidade, atolada em acusações de corrupção, e do Parlamento e da imprensa britânica.

Uma das provas em mãos de Collins é justamente e-mail de Valcke em que ele diz nominalmente que o Qatar comprou o Mundial de 2022. Ao criticar Mohamed bin Hammam, opositor de Blatter que chegou a ter apoio de Ricardo Teixeira e foi o artífice da campanha de Qatar, Valcke perguntava se Hammam achava que poderia comprar a Fifa como comprou a Copa para o Qatar.

Como Valcke confirmou o que escreveu, os ingleses exigem nova eleição. A Fifa, por enquanto, não se manifestou, mas seu secretário-geral chegou a dizer que não se referia à compra de votos. Referia-se ao quê?

Collins acredita que, com o material que está reunindo no Comitê de Mídia, Cultura e Esporte da Inglaterra, em breve poderá protocolar o pedido para anular a escolha do Qatar como sede.

Para quem não sabe, o país do Oriente Médio venceu Estados Unidos, Austrália, Japão e Coréia do Sul. A Inglaterra estava na disputa por 2018, vencida pelos russos, mas agora pretende relançar sua candidatura, se as regras de escolha do país-sede forem mudadas, para 2022.

 



MaisRecentes

Nova caminhada



Continue Lendo

O desabafo de Cuca (ainda)



Continue Lendo

As críticas de Cuca



Continue Lendo