A torcida e as vaias na Copa-2014



O Brasil que se prepare para  as vaias na Copa-2014. Há muitos anos a seleção tem sido alvo de críticas quando joga em casa e esse deve ser um dos obstáculos no próximo Mundial.

Mano Menezes sabe disso e começa a perder a paciência. Vi o amistoso contra a Holanda pela TV, quando estava num bar em Nova York. As vaias foram fortes e se repetiram no jogo contra o fraquíssimo time reserva da Romênia, exceção feita aos pouco mais de 15 minutos em que Ronaldo esteve em campo. Vaias justas e merecidas. De quem pagou caro para ver o jogo e se sentiu lesado com o fraco desempenho brasileiro.

Passado mais de um ano da Copa na África do Sul, Mano não deu uma cara à seleção.

Faço minhas as palavras de Tostão, com quem tive o prazer de trabalhar na Copa América de 1999, no Paraguai, e nos Mundias da França, em 1998. e de Coreia e Japão, em 2002. Ele acha que o dunguismo continua. Que o Brasil carece de armadores e centroavantes de verdade, lembrando, em sua coluna na “Folha”, de domingo, que fazer gols qualquer centroavante mediano volta e meia faz. Uma crítica a Fred e cia., uma crítica de quem entende e está preocupado com o que tem visto.

Motivos para preocupação não faltam. Inclusive no tocante à organização da Copa, o que é importantíssimo. Percebi isso pela repercussão do post em que comento a atuação do ex-presidente Fernando Collor nos bastidores do Mundial. Provocou a ira da galera, que quer saber o que será feito do seu, do meu e do nosso dinheiro para receber a Copa-2014 e também os Jogos de 2016. Uma preocupação tão legítima quanto a com o desempenho do time em campo, que será testado na Copa América da Argentina, em julho. A pressão e o protesto da galera é uma das armas contra os políticos e dirigentes de futebol que têm feito grande lambança na organização da Copa. Como foi fundamental para a queda de Antonio Palocci da Casa Civil.

 



MaisRecentes

A reeleição de Galiotte



Continue Lendo

Cadê os patetas?!?



Continue Lendo

Complô no Santos



Continue Lendo