Assaf: É preciso tempo para avaliar a ‘nova velha mudança’