Vira-latismo quer minar a paixão na Libertadores



Taça da Copa Libertadores (foto: divulgação)

Imagine se tivessem tirado o seu direito, são-paulino, de ter vivido numa arquibancada a festa da conquista da Libertadores de 1992, há exatos 25 anos, num Morumbi com mais de 100 mil pagantes. Tire do cruzeirense e do atleticano o Mineirão entupido do bi 1997 e do inédito título alvinegro em 2013. Imagine se o corintiano tivesse sido obrigado a trocar o Pacaembu cheio por um estádio em Lima para a grande decisão da tão sonhada Copa em 2012. Pergunte a um palmeirense se ele se arrepende de ter madrugado na fila do velho Palestra Itália para viver na arquibancada a noite de 16 de junho de 1999. Que pena seria se o colorado não tivesse tido a chance de ver seu Inter ser campeão continental no Beira-Rio. Pergunte ao torcedor do Boca, do River, do Peñarol, do Nacional, do Atlético Nacional…

O presidente da “nova Conmebol” quer dar ar de Champions League à Libertadores com final única, em país escolhido previamente, a partir de 2018. Os dirigentes dos clubes parecem dizer amém. Uma aberração. Nem tudo que está na Europa é melhor e deve ser copiado. Ignoram-se questões geográficas e culturais com um vira-latismo que na prática só colocará embalagem bonita em uma competição que tem outros tantos aspectos a serem melhorados. O modelo de final atual não está na lista de problemas.

Que se copie a segurança dos estádios, a qualidade do gramado, a negociação dos direitos de televisão, a venda de patrocínios, os canais de comunicação da Champions… Final única, com torcida repleta de turistas, não cabe num continente de difícil deslocamento e com problemas econômicos. Querem afastar os clubes de suas casas, de sua gente. Torcedor sul-americano não está nem aí para turismo quando vê seu clube de coração em uma final de Copa Libertadores. Dane-se se o Rio tem o Cristo ou se Buenos Aires tem Puerto Madero. O que importa é ter o direito de fazer de sua casa, seja na ida ou na volta, um diferencial para a conquista. O desejo da “nova Conmebol” lembra quem pede megashow, ao estilo de Super Bowl, em decisão de futebol por aqui. Não! É ótimo e digno de aplausos a maneira como os Estados Unidos valorizam seus esportes. Perfeito, na cultura deles. Ninguém está preocupado com show em intervalo de final por essas bandas. Respeite-se cada esporte, cada competição, cada povo.

A preocupação por aqui é apenas ter as maiores facilidades possíveis para estar do estádio, ou perto dele, numa grande decisão. Jogo único será mais uma barreira para quem já encontra inúmeras delas, como preços altos de ingressos em arenas, por exemplo. O que faria o torcedor do pequeno e valente Independiente Del Valle se a final de 2016 tivesse sido realizada em jogo único, contra o Atlético Nacional, no Maracanã? Quantos turistas sul-americanos, “neutros”, saíram de seus países para ir ao Rio ver essa final? Vamos supor que milhares topassem. E que vários cariocas lotassem o Maraca. Nada mais frio do que um público desse, alheio ao jogo, na final do torneio mais importante da América do Sul. Dividiriam espaços com alguns guerreiros colombianos e equatorianos, e outros abonados torcedores, que fariam a longa viagem.

A Champions League tem as maiores estrelas do mundo em campo, o que por si só atrai a atenção do planeta. A Libertadores, não. A Libertadores, como o próprio slogan da competição diz, é movida pela paixão. Final em campo neutro é mais um passo para minar justamente a paixão. Mesmo que todas finais únicas sejam disputadas com estádio cheio (é bem possível que sejam), com alguns malucos cruzando o continente e outras festas enlatadas. Jamais será a mesma coisa do que estar em casa. Com o direito de estar em casa. Na rua que você conhece, no bar que você consome. A diferença que faz “jogar de local” é a alma do futebol na América do Sul. Não destruam a final da Copa, por favor. Sem vira-latismo.



  • Rafa Gamer

    Concordo com todos os argumentos. Eu só concordaria em final única se fosse na casa do time que teve a melhor campanha, não pré estabelecida. Lembrando também dos limites mínimos de lotação que uma final de Libertadores merece.

  • Hemerson Silva

    Ao contrário do artigo, eu concordo com a final única. Traz um amior glamour à competição. Agora, tem que avaliar quais serão os estádios que poderão abrigar uma final.

    • Apoio. Jogo único em campo neutro, gramado excelente e estádio novo, vence o melhor time, sem catimba e sem roubo para time da casa. Argentinos é que não vão gostar, sempre ganharam só com raça e catimba, nunca com bons times. Pouquíssimos estádios poderão ser usados para isso, a maioria será no Brasil, pelos estádios novos que temos.

  • Wilson Huida Junior

    Artigo ruim…. se na europa da certo, temos que tentar. Pois o começo tem que vir de algum lugar.
    Final em dois jogos, isso sim é vira-latismo…. pelo seu artigo, vamos colocar todos os jogos de mata-mata (copa do mundo, copa América, copa das confederações, etc) que forem em continente sul americano em dois jogos…imagina a cena: Argentina x Japão… em 2 jogos….
    Teu artigo foi ruim….

    • Nostradamus

      Cara! Você viajou mais que o artigo publicado. Jogos de seleções mundiais são muito diferentes do que jogos entre clubes.

      Infelizmente muitos torcedores e dirigentes não conhecem nada da palavra TRADIÇÃO, e o formato que a Conmeboll utiliza para mim é muito melhor do que a Champions League.

      Agora quer ler um absurdo de verdade? É dizer que Corinthians x Vasco é final de campeonato mundial de clubes. É como se fosse Brasil x Brasil numa final de Copa do Mundo.

      • Lucas Lara Esteves

        Voce acertou na resposta do argumento e depois estragou o seu prorpio argumento com essa falacia no final. Campeonato Mundial de Clubes, permite sim a participacao de dois times do mesmo pais. Toda a final no Japao teve um time japones ja classificado por que era o pais sede, do mesmo jeito que Brasil nao precisou se classificar para a Copa do Mundo ja que ele e o pais sede. Voce so nunca viu uma final entre Kashima Antlers e Kashiwa Reysol por que esses times nao ganham do campeao Sulamericano e Europeu.

        Menos clubismo nessas discussoes.

      • CONHECEDOR

        Muito bom começo. Final em um jogo, perfeito ! Precisa depurar os times, como um torneio dos Campeões Pan.Americano, do Uruguai ao Canadá. Chaves regionais e fase final em um único País, com 8 clubes, dois grupos de quatro igual o Mundial de Clubes FIFA de 2.000. Fórmulas não faltarão, mas o fim do bairrismo, catimba e pressão típica Sul e Centro Americana, está com os dias contados. É só deixar os norte.americanos organizarem, que será um excelente torneio em 5 ou 10 anos. Precisa mudar, pois a Libertadores, diferente dos torneios anteriores está demasiadamente inchada, com clubes tecnicamente sofríveis e injustiças, como 8 clubes brasileiros. Pelas mudanças já !

  • Herrera

    Perfeito artigo. Penso exatamente igual. Torcedor sulamericano é diferente. Funciona em outros países, devido a questões culturais, econômicas e geográficas. Aqui tem muitas coisas a serem melhoradas , mas muitas mesmo, antes de se cogitar esse tipo de situação.
    Parabéns, artigo perfeito!

  • Gostei. Jogo único em campo neutro, gramado excelente e estádio novo, vence o melhor time, sem catimba e sem roubo para time da casa. Argentinos é que não vão gostar, sempre ganharam só com raça e catimba, nunca com bons times. Pouquíssimos estádios poderão ser usados para isso, a maioria será no Brasil, pelos estádios novos que temos.

  • Corinthiano

    Isso e uma lambança terrivel nao estamos na europa onde a maioria da população tem condiçoes de ir a outro pais assistir a final de seu time finalista e fora a geografia europeia que facilita o deslocamento de um pais para o outro. A realidade da america latina ou continente americano e bem diferente da europa nao façam da america uma europa que nao vai dar certo, isso nao pode acontecer os clubes tem que bater de frente para barrar essa cagada que querem fazer, ja fizeram coisa errada na sulamericana baseando a vantagem dos times jogarem a 2° partida em casa atraves da ordem do sorteio da 2° fase sem levar em conta a campanha de cada equipe um absurdo!!!

  • Fábio F. Silva

    Ridículo! Além de ir contra a cultura sul-americana, vai limitar a participação do torcedor. A América Latina não é como na Europa, em que o torcedor pode chegar da Itália até a França de trem em poucas horas. Serão finais esvaziadas e sem a emoção da torcida.

  • MALOQUEIRO !!!

    A ARENA CORINTHIANS RECEBERIA O PRIMEIRO JOGO, POIS FOI PALCO DA ABERTURA DA COPA DE 2014 E SEDIOU OS JOGOS OLIMPICOS DE 2016… ESTADIO NIVEL EUROPEU !!! https://uploads.disquscdn.com/images/0b095e2e93925068639fff29b7ab36d4215c435207cbec220b2c4fc1248f0683.jpg

    • Ricardo Lima

      Estádio Lava Jato, a cara do PT

      • MALOQUEIRO !!!

        Outro iludido pela mídia

        • Ricardo Lima

          Gente como vc que impede o desenvolvimento moral do país. Se é de nosso interesse, pouco importa se o objetivo foi atingido por meios imorais ou ilegais, né?!?

  • Matheus Braga

    Lamentável! É como querer colocar os times dos EUA na Libertadores da América. Imagine seu time fazendo um jogo de quarta-feira no Texas e no domingo jogando na Bahia. Na outra quarta-feira joga no Sul. Tá fácil, né?! A culpa não é do futebol moderno. Isso não é moderno porque é burro! É querer dar um passo maior que a perna, é pular etapas. Pra ter uma final em jogo único aqui, você precisa passar por várias e várias etapas para absorver a cultura, logística, comportamento, direitos, etc. Imagino que esse presidente queira outros cargos políticos e por isso quer “mostrar” que quer mudar. Mudar uma final de local não quer dizer que a corrupção acabou, mas só que os caras continuam burros e cegos. Pobre América Latina, sofre com seu comando, em todas as esferas.

  • Gabriel Cintra

    Timão foi bi mundial em campo neutro no Rio e no Japão e a torcida compareceu, até gostou de ser campeão “fora ” de casa! Vamos onde tiver jogo! Em Lima, Buenos AIRES, Rio ou onde for

    • Fernando Farias

      Bi Mundial ??? Como pode isso se ganhou a libertadores uma vez só ??

  • pedro antonio

    Essa libertadores já está estragada faz tempo, perdeu a graça esse campeonato, melhor seria acabar com ela e criar uma Champions League da américa, muito mais atraente, colocaria os times mexicanos, norte-americanos e alguns da concacaf. melhor do que essa porcaria de libertadores com times pequenos amadores, e com 300 clubes brasileiros jogando ela.

MaisRecentes

Da Arena Corinthians ao Allianz Parque: o ‘efeito novidade’ não passa



Continue Lendo

Grêmio e Corinthians pintam o sete



Continue Lendo

Corinthians larga com a fome que falta à maioria



Continue Lendo