Corinthians: a contraditória venda de Jô - Blog do Capretz

Corinthians: a contraditória venda de Jô



Um clube de futebol é uma instituição sem fins lucrativos. Seu objetivo não é dar lucro. Seu lucro real é técnico, emocional, de glórias, conquistas e alegrias para o seu torcedor, razão maior de essa rica indústria do futebol girar.
Sabendo disso, incomoda ouvir que a venda de Jô para o futebol japonês foi boa. Oras, como boa sendo que ele foi o principal jogador da equipe campeã paulista e brasileira?!
O lucro financeiro de mais de 40 milhões de reais suplanta a ausência do artilheiro do time na Libertadores de 2018?
Pois bem, eu disse que a venda era irrecusável e imperdível. Pelo único motivo de a péssima gestão do Corinthians necessitar avidamente desse dinheiro.
Clubes saudáveis administrativa e financeiramente, como Palmeiras e Flamengo, podem hoje pensar primeiro no aspecto técnico. O Corinthians, que é um caos, não pode.
E não vamos confundir a venda de Jô, que tem mais de 30 anos, passagens por Europa, seleção brasileira, etc, com a venda, por exemplo, de Gabriel Jesus. São coisas diferentes. Gabriel precisava de outro ambiente para se desenvolver e crescer. Jô “precisa” hoje só da grana.
A melhora do nosso futebol passa por diversos aspectos: calendário, formação, treinadores mais qualificados, extinção da violência, e passa também por gestão. E aqui eu falo da gestão dos clubes. É muito fácil – apesar de ser justificável – reclamar só da CBF.
Para um técnico como Fábio Carille não ter que toda vez ser considerado um ‘milagreiro’, quem está acima dele tem que administrar minimamente o controle da entrada e saída de dinheiro.



MaisRecentes

Não é coincidência o São Paulo não ganhar nada há tanto tempo



Continue Lendo

O Corinthians vencedor de Fábio Carille



Continue Lendo

Quer entender o Atlético-PR de Fernando Diniz?



Continue Lendo