Análise contextualizada - Blog do Capretz

Análise contextualizada



A tecnologia mudou o mundo e por tabela mudou o futebol. O número de informações que se gera de um jogador, de uma partida e de uma equipe é estratosférico. Se antes o empirismo, o achismo ou o chamado ‘olho clínico’ imperavam hoje não se pode mais analisar um jogo ou até mesmo o mercado da bola sem informações fidedignas.
Posto isso, vem o mais importante: o conhecimento de quem analisa essas informações geradas e a sensibilidade para contextualizar os números em um contexto mais amplo formam a parte mais importante e valiosa de todo esse processo.
Pegando, por exemplo, a análise de mercado: quando o Palmeiras contratou por cifras milionárias o atacante Borja no ano passado criou-se uma expectativa gigantesca em função dos números. Uma passada de olhos nos gols marcados por ele no segundo semestre de 2016 garantia que cada centavo gasto havia sido bem pago. Mas em algum momento se analisou qual o modelo de jogo que privilegiava as características de Borja fazendo com que ele fosse a rede tantas vezes? O Palmeiras teria esse mesmo modelo? Observação: o Verdão teve três treinadores no passado (Eduardo Baptista, Cuca e Alberto Valentim). Cada um com uma ideia de jogo.
Sem falar no aspecto emocional e comportamental. Fizeram essa análise? Borja tinha ido para o futebol italiano, mas voltou rapidamente para a Colômbia por não se adaptar. Como foi a adaptação dele no ano passado com a cultura, clima e idioma aqui no Brasil? Isso pode explicar muito o desempenho de um atleta dentro de campo.
Contratar os melhores nomes do mercado não garantem a formação de um grande time. São inúmeros aspectos a serem analisados em cada contratação, permanência de jogador e até transição de quem está chegando da base. Os números frios não vão responder as perguntas certas que devem ser feitas. Não é só o técnico, nem só o tático, nem o físico e nem o emocional. O todo é maior que a soma das partes. O valor maior não está na informação. E sim no conhecimento para avaliar o que é mais adequado ao momento.



MaisRecentes

Ganhou é bom, perdeu não presta?



Continue Lendo

Fábio Carille não é salvador da pátria



Continue Lendo

São Paulo sem perspectiva de vitória. E não por acaso



Continue Lendo