Morre aos 94 anos, Lou Duva



 

O boxe perdeu nesta quarta feira uma de suas maiores personalidades. Morreu, aos 94 anos, Lou Duva, grande treinador, manager e integrante do Hall da Fama. Em 70 anos de nobre arte, Duva trabalhou com 19 campeões mundiais. Nas últimas quatro décadas esteve envolvido com a Main Events, empresa promotora de lutas nos Estados Unidos.

A morte foi anunciada pelo filho Dino Duva. “O número esmagador de mensagens de tantos amigos e associados mostra o quanto nosso pai foi amado e respeitado”, disse ele em um comunicado. “Nós apreciamos sinceramente o apoio de todos.”

Nascido em 28 de maio de 1922, em Nova York, filho de imigrantes italianos, Lou Duva passou sua infância e adolescência em Paterson, onde morreu em um hospital, por causas naturais.

Duva se tornou tão famoso como alguns dos grandes lutadores com os quais trabalhou. A lista é grande: Evander Holyfield, Pernell Whitaker, Meldrick Taylor, Mark Breland, Tyrell Biggs, Mike McCallum, Rocky Lockridge, Johnny Bumphus, Livingstone Bramble, Bobby Czyz, Vinny Pazienza, Darrin Van Horn, Michael Moorer, John John Molina, Zab Judah, Vernon Forrest, David Tua e Andrew Golota.

“Lou era muito duro, mas também era tudo que um boxeador precisava. Quando ele estava com você, nada poderia ser contra você”, disse Ronnie Shields, que trabalhou como assistente doo lendário técnico em 1988.

Duva formou com George Benton uma das maiores duplas de treinadores de todos os tempos. Eles comandaram o time norte-americano que dominou os Jogos Olímpicos de Los Angeles-1984.

“Ele gostava de mim porque eu era um garoto italiano, que trabalhava no canal HBO e ele sabia que eu amava boxe e ele gostava de falar de boxe”, disse Lou Di Bella, atual empresário. “Por isso, ele sempre foi muito bom para mim e tornou-se como um tio.”

Di Bella se emocionou: “O boxe sempre teve seu lado negro, mas costumava ter muito mais camaradagem e muitos personagens como Lou. Não é mais assim. Lou adorava estar com sua família e pessoas do boxe, e as pessoas do boxe também eram como sua família. Eu vi Lou mais do que eu vi minha própria família por muitos anos. Lu foi o cara.”

Lou Duva iniciou no boxe aos 10 anos, levado pelo irmão Carl. Aos 15, fez lutas com bolsas de US$ 5. Como profissional, lutou de 1942 a 1945 e somou seis vitórias (nenhum nocaute) e dez derrotas. Durante a 2ª Guerra Mundial, ensinou boxe em Camp Hood no Texas e mais tarde passou a promover lutas de boxe em seu estado natal, de Nova Jersey. O principal trabalhou organizou o duelo entre Joey Giardello-Dick Tiger luta pelo título mundial dos médios em 1963. Giardello tornou-se campeão mundial.

Duva gostava de contar histórias e as preferidas eram sobre o acompanhamento dos treinos de Rocky Marciano, único campeão peso pesado que terminou a carreira invicto.

Em 1978, criou a empresa Main Events, ao lado do filho mais novo Dan Duva, que viria a morrer precocemente de cãncer no cérebro em 1996. A empresa passou a ser dirigida pelos filho Dino Duva e pela nora Kathy Duva.

A maior conquista do técnico Lou Duva foi estar ao lado de Evander Holyfield na vitória sobre James Buster Douglas em 1990, com o cinturão dos pesos pesados. A maior tristeza foi a derrota de Meldrick Taylor diante de Julio Cesar Chavez , a dois segundos do final do combate. Ele jamais perdoou o juiz Richard Steele, que paralisou o combate.

Explosivo, Duva se envolveu em várias polêmicas na carreira. Em 1988, quando era técnico do peso leve Vinny Pazienza, invadiu o ringue e recebeu um soco na cara de Roger Mayweather, tio de Floyd Mayweather, que lhe valeu um grande corte.

Em 1996, no Madison Square Garden, era técnico de Andrew Golota diante de Riddick Bowe. Sofreu um ataque cardíaco após ser espancado por fãs de Bowe e precisou deixar o ringue em uma maca.

Lou Duva deixa o filho Dino, as filhas Donna, Deanne Boorman e Denise Duva, 11 netos e quatro bisnetos. Uma cerimônia será realizada das 15 às 17h do domingo no Funeral Home, em Totowa, Nova Jersey, com o funeral marcado para as 10 da manhã de segunda-feira na Igreja Católica Romana de St. Mary em Paterson.

Descanse em paz, Lou Duva.

 



MaisRecentes

Klitschko x Wilder pode sair ainda em 2017



Continue Lendo

Vitória de Joshua explode audiência no mundo



Continue Lendo

Joshua x Klitschko: os pesados estão de volta



Continue Lendo