Zaza Pachulia e a eleição para o All-Star Game



Segundo mais votado entre alas e pivôs da Conferência Oeste, Zaza Pachulia foi o gatilho para a mais variada gama de reações com a divulgação da primeira parcial da votação popular para ajudar a escolher os titulares do All-Star Game da NBA. Preocupada com aberrações do tipo, a liga havia anunciado que, pela primeira vez, jogadores e imprensa especializada participação da eleição. Decisão que distorce um pouco a proposta do evento, que deveria ter como prioridade o entretenimento e não necessariamente a competitividade.

Pachulia foi uma solução encontrada pelo Golden State Warriors, que precisava liberar espaço salarial para contratar Kevin Durant. Com isso, enviou seu antigo pivô titular Andrew Bogut, que ganhará pouco mais de US$ 11 milhões (ou cerca de R$ 35,4 milhões) na temporada, para o Dallas Mavericks e assinou com o georgiano por pouco menos de US$ 3 milhões (ou aproximadamente R$ 9 milhões).

Na temporada passada, Bogut registrava 9,3 pontos, 12,2 rebotes, quatro assistências e 2,8 tocos a cada 36 minutos. Com ele em quadra, o Warriors sofria 96,8 pontos a cada 100 posses de bola. Nesta, Pachulia registra 10,5 pontos, 11,7 rebotes, 4,2 assistências e um toco a cada 36 minutos. Com ele em quadra, a equipe de Golden State sofre 98,5 pontos a cada 100 posses de bola. Piora defensiva clara, e melhora ofensiva não significativa o bastante para justificar a aparição em uma seleção da temporada.

A questão é que o All-Star Game não é simplesmente uma seleção dos melhores da temporada. É o apanhado dos jogadores que os fãs querem ver em quadra. Para alguns, isso significa criar o ambiente mais competitivo possível, com aqueles que apresentam o melhor desempenho no campeonato. Para outros, é questão de carisma, de preferência pessoal e de identificação, como certamente acontece com o público do leste europeu e Pachulia.

No ano passado, quando ainda jogava no Mavs, o georgiano já quase havia sido eleito para o All-Star Game. Ciente de que muitos jogadores colocam premiações no contrato caso sejam escolhidos para o evento, a NBA resolveu incluir os atletas e a mídia especializada na votação.

Mas o erro não está na aparição de um jogador que não está entre os melhores, e sim em basear uma cláusula contratual em algo tão subjetivo e imprevisível. O All-Star Game não é necessariamente sobre os melhores, e sim sobre os preferidos do público.



  • Nicolas Capucci

    acho basket coisa de otario…
    sou amante de basket tb

MaisRecentes

Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Continue Lendo

NBA e os polêmicos dois minutos finais



Continue Lendo

Brooklyn Nets e a ausência do “tank”



Continue Lendo