Warriors joga para calar os críticos. De novo



Com seu time fora dos playoffs pela primeira vez desde 2007, os torcedores do Chicago Bulls já criaram uma motivação para a edição deste ano do mata-mata da NBA. Popularizou-se nos Estados Unidos uma camiseta produzida pela franquia que diz que “72-10 don’t mean a thing without a ring” – em tradução livre, “72-10 não significa nada sem o anel”. Clara provocação ao Golden State Warriors, que acaba de se tornar o time com o melhor recorde da história da temporada regular e que, a partir de hoje, busca o título para imortalizar sua campanha.

Às 13h30 (de Brasília), o Toronto Raptors recebe o Indiana Pacers na abertura dos playoffs da NBA. Três horas mais tarde, com transmissão da ESPN, o Houston Rockets vai até Oakland para encarar o Warriors, que busca o bicampeonato para calar de vez os críticos que insistem em diminuir os feitos do histórico time.

Nos playoffs de 2015, quando atingiu pela primeira vez seu nível de excelência, o Warriors teve de lidar com as primeiras contestações – especialmente na segunda rodada do mata-mata, quando chegou a ver o Memphis Grizzlies vencer dois dos primeiros três jogos da semifinal da Conferência Oeste. A dificuldade de manter o desempenho de alto nível centrando seu ataque em bolas de três pontos era o principal motivo para que duvidassem de seu sucesso.

Nem mesmo o título sob o comando de Steve Kerr, técnico novato – fator que também fez com que se colocasse em questão as chances do time – foi suficiente para calar os críticos. Isso porque, em seu caminho, o Warriors enfrentou adversários desfalcados – em especial na final, quando o Cleveland Cavaliers não teve Kevin Love e ainda perdeu Kyrie Irving durante a série.

Esse questionamento ajudou, segundo o pivô titular Andrew Bogut, a motivar o Warriors para o atual campeonato. Resultado: 73 vitórias em 82 jogos e a melhor campanha da história da NBA, superando as 72 do lendário Bulls de Michael Jordan em 1995/1996.

Porém, segundo os insistentes críticos, isso não significa nada sem o anel. Começa hoje mais uma campanha do Warriors para silenciá-los.



MaisRecentes

Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Continue Lendo

Zaza Pachulia e a eleição para o All-Star Game



Continue Lendo

NBA e os polêmicos dois minutos finais



Continue Lendo