Warriors de hoje ou Bulls de 1995/1996? Kerr faz análise



Na terça-feira, o Golden State Warriors venceu o Los Angeles Lakers pelo placar de 111 a 77 e chegou ao 16º triunfo nos seus 16 primeiros compromissos na temporada 2015/2016 da NBA, batendo o recorde de melhor começo da história da liga profissional americana. Graças ao excelente desempenho, já existem análises que comparam o time ao Chicago Bulls de 1995/1996, que fez a melhor fase classificatória de todos os tempos, com 72 resultados positivos e só dez derrotas. Entre essas análises, uma parece especialmente qualificada: a de Steve Kerr.

Técnico do Warriors desde a temporada passada, Kerr, então armador, era companheiro de equipe de Michael Jordan, Scottie Pippen e companhia naquela lendária equipe do Bulls. Por isso, é talvez o nome mais indicado para dizer o que aconteceria se esses dois timaços se enfrentassem. E adivinha só? Ele o fez, em entrevista à ESPN americana.

Afastado do comando dos californianos desde o início da temporada enquanto se recupera de um problema nas costas, Kerr, que deixou o comando provisoriamente nas mãos de seu assistente Luke Walton, detectou um problema logo de cara: não seria capaz de marcar Stephen Curry, astro do Warriors. Por isso, obrigaria que o Bulls usasse mais Ron Harper, armador especialista na defesa, e deslocasse Scottie Pippen em outros momentos para defender o atual MVP das finais.

Porém, segundo o próprio Kerr, isso causaria um problema para o time de Chicago. O Warriors poderia aproveitar-se da ineficiência nos arremessos de Harper, puramente marcador, e deslocar Andrew Bogut para sua marcação. Sem precisar se preocupar com os tiros do perímetro, o pivô australiano podia deixar o adversário livre, congestionar o garrafão e focar-se exclusivamente na cobertura de seus companheiros, ajudando a fechar o caminho de Jordan e Pippen rumo à cesta.

Apesar de se dizer “em cima do muro”, os pequenos detalhes táticos mostram que, talvez, Kerr acredita que seus comandados podiam levar a melhor sobre aquele Bulls. Como mais uma desvantagem para a equipe de Chicago, o ex-armador afirmou que, como a defesa naquele ano era bem mais física, seus colegas de equipe viriam a arbitragem marcar muitas faltas hoje.

Mesmo assim, Kerr não quis arriscar um placar. Nem mesmo para o caso de o jogo acontecer em outro planeta. “Bem, se fosse disputado em Plutão, então eu acredito que seria decidido em um arremesso de Stephen Curry de 3, com um passo para trás, sobre Michael Jordan no estouro do cronômetro. E nós nunca saberíamos se o arremesso foi convertido ou não”. Ponto para o bem-humorado e misterioso técnico do Warriors.



  • jhonatan Capelati

    Bulls ainda porque esse time tem que provar muito ainda , falta mais de 60 jogos de temporada regular , então vamos esperar …

MaisRecentes

Tiago Splitter ainda tem lugar na NBA



Continue Lendo

Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Continue Lendo

Zaza Pachulia e a eleição para o All-Star Game



Continue Lendo