Você aceitaria seu time do NBB virando um laboratório da NBA?



As regras da NBA permitem que cada franquia tenha apenas 15 jogadores no plantel, sendo que é possível relacionar somente 13 para os jogos. Além disso, a cada temporada, 60 novos atletas ingressam na liga profissional americana via Draft – salvo trocas, dois para cada equipe. Para ajudar a combater possíveis inchaços, existe o stash, prática em que um time seleciona um prospecto no recrutamento de calouros e mantém os direitos sobre ele, mas o deixa jogando em outro país – geralmente na Europa – para se desenvolver enquanto aguarda uma chance nos Estados Unidos.

O armador brasileiro Raulzinho é um exemplo da prática. Foi selecionado pelo Atlanta Hawks na 47ª escolha do Draft de 2013 e, em seguida, teve seus direitos trocados para o Utah Jazz. Desde então, vem atuando na Espanha – jogou pelo Gipuzkoa Basket na temporada 2013/2014 e pelo UCAM Murcia na temporada 2014/2015 – à espera de uma chance da NBA.

Porém, como a maioria dos jogadores stashados é de origem européia, é natural que as franquias da NBA os enviem para clubes do Velho Continente de olho em sua evolução. Por isso, eu pergunto: você aceitaria que seu time de coração do NBB se tornasse um laboratório de desenvolvimento para prospectos da liga profissional americana?

Hoje, pelo que pesquisei, existem somente três jogadores sul-americanos stashados. Raulzinho já jogava na Europa quando draftado e, por isso, é normal que siga seu plano de desenvolvimento no continente. Os outros dois não parecem mais estar nos planos da NBA: o ala-pivô argentino Federico Kammericks, que atuou pelo Unión de Goya na última temporada, tem seus direitos ligados ao Portland TrailBlazers, mas já tem 35 anos de idade. E o pivô brasileiro Paulão, que defendeu o Mogi na última temporada, tem seus direitos ligados ao Minnesota Timberwolves, mas fica difícil imaginá-lo nos Estados Unidos por conta de seus problemas para manter-se em forma.

Por isso, aproveitando-se da recém firmada parceria entre a NBA e o NBB, seria absurdo imaginar um clube brasileiro oferecendo um projeto de desenvolvimento de prospectos sul-americanos para as franquias dos Estados Unidos? Nesse ano, por exemplo, está inscrito no Draft o ala argentino Juan Pablo Vaulet, de apenas 19 anos de idade. Existe o rumor de que o San Antonio Spurs prometeu selecioná-lo, mas fica difícil imaginar que ele possa contribuir imediatamente na liga profissional americana. Então, porque não, desenvolvê-lo no Brasil enquanto isso?

Esse mesmo clube também pode passar a priorizar jogadores que já estiveram em algum momento no radar da NBA, como o pivô brasileiro Fab Melo. Sua comissão técnica teria membros focados exclusivamente no desenvolvimento de jogadores – quem sabe até mesmo formados nos Estados Unidos e indicados por profissionais de lá. Caso o projeto obtivesse sucesso, aos poucos poderia ser possível expandir a ideia para prospectos latino-americanos no geral, como o pivô portorriquenho Ricky Sánchez, que desde este ano joga no Cangrejeros de Santurce, de seu país, e tem os direitos presos ao Miami Heat. E, porque não, passaria a ser possível sonhar com o recebimento de americanos – a citada franquia da Flórida deixou o ala James Ennis jogando uma temporada na Austrália antes de aproveitá-lo. Porque não no Brasil?

E o que o time do NBB ganharia com isso? Fica difícil imaginar uma potência como Brasília e Flamengo embarcando em um projeto desse tipo, claro. Mas a facilidade em receber reforços desse nível pode ser uma boa, por exemplo, para times como o Palmeiras, que tem dificuldades financeiras para se manter. Além disso, o conhecimento adquirido no desenvolvimento de jogadores seria excelente para um clube com base forte como o Verdão.

Seria possível embarcar em uma dessas?



MaisRecentes

Slam Dunk Contest trinta anos depois



Continue Lendo

Cristiano Felício aproveita caos do Bulls



Continue Lendo

Érika acha um lar adequado na WNBA



Continue Lendo