Uma Dominicana a menos, um Canadá a mais



Nesta quinta-feira, às 19h (de Brasília), a Seleção Brasileira masculina de basquete estreia na Copa Jenaro Tuto Marchand, em Porto Rico, no último teste da equipe nacional antes da Copa América, que dará quatro vagas para a Copa do Mundo do ano que vem. No torneio preparatório, os comandados de Rubén Magnano vão estrear contra a República Dominicana, que tem causado dores de cabeça nos últimos anos, e terminar sua participação diante do Canadá, que não tem sido uma força representativa no continente recentemente. Mas 2013 pode ser o ano em que isso começará a mudar.

Brasil se prepara para a Tuto Marchand (Divulgação/CBB)

Brasil se prepara para a Tuto Marchand (Divulgação/CBB)

O Brasil enfrentará ainda Argentina e Porto Rico na Tuto Marchand, no torneio amistoso que traz os principais favoritos à vaga no Mundial da Espanha no ano que vem. A Venezuela, país sede da Copa América, corre por fora na competição, que pode começar a mudar a ordem de forças do continente.

Na Copa América de 2011, quando conseguiu a histórica vaga para a Olimpíada de Londres-2012, o Brasil chegou a ter sua classificação ameaçada após derrota para a Dominicana por 79 a 74. O ponto forte daquela equipe era a rotação de garrafão, que tinha Al Horford (22 pontos e cinco rebotes naquele jogo), Jack Martinez (10 pontos e 10 rebotes) e Charlie Villanueva (6 pontos e 5 rebotes).

Se com Tiago Splitter em quadra o garrafão adversário preocupava, dessa vez o dano poderia ser ainda maior. Além do pivô do San Antonio Spurs, o técnico Rubén Magnano viu Anderson Varejão, Nenê, Vitor Faverani, Lucas Bebê e Paulão, outros interiores, pedirem dispensa por motivos variados. Por sorte, o problema assola também o outro lado.

A Dominicana não contará com seus pivôs da NBA. Al Horford e Charlie Villanueva não vão à Venezuela, deixando o time carente de talento. Claro que o ala Francisco Garcia estará lá e pode se aproveitar da falta de tamanho do Brasil no perímetro. Mas essa não é mais uma seleção que preocupa.

Enquanto isso, na contramão das demais seleções, o Canadá vem com uma geração cheia de talento, presente na NBA e disposta a defender sua equipe nacional. Cory Joseph, armador do San Antonio Spurs; Andrew Nicholson, ala-pivô do Orlando Magic; Tristan Thompson, ala-pivô do Cleveland Cavaliers, e Joel Anthony, pivô do Miami Heat, estão na lista. Assim como o ala Kris Joseph, recentemente dispensado pelo Boston Celtics.

Além disso, o Canadá – que ficou em sexto na última Copa América e sequer foi ao Pré-Olímpico Mundial em 2011 – deve contar, nos próximos anos, com o ala-pivô Anthony Bennett, primeira escolha do último Draft e reforço do Cleveland Cavaliers; com o também ala-pivô Kelly Olynyk, outra escolha de primeira rodada e reforço do Boston Celtics; e com o ala Andrew Wiggins, favorito à primeira escolha do ano que vem.

Com mais opções, mais talento e um projeto sólido comandado por Steve Nash, General Manager canadense, o Canadá promete incomodar o Brasil nos próximos campeonatos – mais do que a Dominicana. A começar pela Copa Tuto Marchand.



MaisRecentes

Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Continue Lendo

Zaza Pachulia e a eleição para o All-Star Game



Continue Lendo

NBA e os polêmicos dois minutos finais



Continue Lendo