Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Se a primeira temporada de Raulzinho na NBA foi acima do esperado, a primeira metade da segunda foi um choque de realidade para o brasileiro. Titular em 53 jogos no campeonato anterior, o armador ainda não começou nenhuma partida desde outubro e, na quarta-feira, jogou pela primeira vez no Salt Lake City Stars, da D-League. Hora de colocar em prática a paciência, algo esperado quando desembarcou nos Estados Unidos.

Na última temporada, Raulzinho contou com a grave lesão de Dante Exum, projeto para o futuro do Jazz, e com o desempenho abaixo do esperado de Trey Burke para se firmar como titular – algo surpreendente para um novato de uma equipe que tenta brigar por playoffs. O brasileiro já havia perdido espaço com a contratação de Shelvin Mack e, para este campeonato, viu seus minutos diminuírem ainda mais com George Hill chegando e com o australiano enfim conseguindo ficar saudável.

Embora possa soar como decadente, a ida para a D-League é normal para um jogador que está apenas em sua segunda temporada na NBA, que tem somente 24 anos de idade e que foi escolhido apenas na 47ª escolha do Draft de 2013. Principalmente em uma equipe que precisa de resultados imediados – o Jazz ocupa a quinta colocação na Conferência Oeste e pode ir para os playoffs pela primeira vez desde 2012.

Ao menos, Raulzinho mostrou em sua passagem pela D-League que talento não é problema. O brasileiro anotou 14 pontos, acertando seis dos 11 arremessos de quadra que tentou, além de 12 assistências, nove rebotes e uma roubada de bola em 33,8 minutos na vitória em casa do Salt Lake City por 129 a 94 sobre o Grand Rapids Drive. Os números impressionantes fizeram com que o pivô francês Rudy Gobert, seu companheiro de Jazz, brincasse chamando-o de “Russell Westbrook brasileiro”.

Agora, é preciso paciência. Raulzinho briga por espaço com gente boa, experiente e que tem mais condições de levar o Jazz longe neste momento. Mas talento para o armador, uma das maiores promessas para o futuro da Seleção Brasileira, não falta. Sua hora vai chegar na NBA.



MaisRecentes

Slam Dunk Contest trinta anos depois



Continue Lendo

Cristiano Felício aproveita caos do Bulls



Continue Lendo

Érika acha um lar adequado na WNBA



Continue Lendo