Rafael Luz é muito útil mesmo sem dominar



Acostumados com o estilo clássico de Nicolás Laprovíttola, que jogou no clube entre 2013 e 2015, alguns torcedores do Flamengo têm questionado Rafael Luz, armador titular do Flamengo nesta temporada. Se o argentino, que funcionava como maestro em quadra, venceu uma Liga das Américas e dois NBBs, sendo MVP das finais do Nacional no ano passado, seu sucessor é bem menos dominante no ataque. Mas é preciso entender que não é com a bola nas mãos que o camisa 5 pode se tornar uma figura importante na Seleção Brasileira para a Olimpíada.

Rafael Luz ao lado de Alex (João Pires/LNB)

Rafael Luz ao lado de Alex (João Pires/LNB)

No índice de eficiência do NBB, Luz terminou a temporada regular com 9,97, bem atrás de outros armadores como Ricardo Fischer (15,04), Fulvio (15,00) e Davi Rossetto (13,81). Está longe de ser o mais dominante da competição na posição. Mas a montagem de um elenco vai muito além de apenas juntar os 12 melhores. É preciso pensar em encaixes e rotações e estar preparado para diferentes rotações.

Quem acompanha o trabalho de Rubén Magnano imagina que os minutos da armação serão divididos entre Marcelinho Huertas e Raulzinho durante os Jogos do Rio. São dois armadores com boa visão de jogo e que têm habilidades ofensivas como pontos fortes. Por isso, a terceira opção para a posição, que provavelmente só seria usada em casos emergenciais, precisa de um conjunto diferente de habilidades.

Luz pode ser exatamente esse homem. É atlético e sabe usar esse dom para ser um defensor competente. Como o melhor marcador da Seleção, Alex Garcia, já declarou que prefere colar em jogadores maiores e mais fortes, o armador pode precisar ser acionado se algum adversário menor e mais veloz estiver causando problemas.

Cabe ao Flamengo saber que tipo de jogador tem em mãos para explorar suas habilidades e tentar esconder suas fraquezas. É difícil imaginar que Luz possa comandar o time com a maestria de Laprovíttola. Mas ele pode ajudar marcando armadores e/ou alas mais baixos, como Alex, e ser acionado no ataque sem a bola, usando seu atleticismo para cortar rumo à cesta. Assim, pode mostrar seu nível.



MaisRecentes

Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Continue Lendo

Zaza Pachulia e a eleição para o All-Star Game



Continue Lendo

NBA e os polêmicos dois minutos finais



Continue Lendo