Polêmica entre a NBA e a Fiba é reaquecida



Mais um caso de lesão promete reaquecer as polêmicas envolvendo franquias da NBA e seleções de basquete. Isso porque o San Antonio Spurs resolveu valer-se do acordo da liga profissional americana com a Federação Internacional de Basquete (Fiba) para vetar a participação do pivô sérvio Boban Marjanovic no Eurobasket, competição continental europeia classificatória para a Olimpíada do Rio-2016.

Marjanovic é uma das novidades do Spurs para a temporada 2015/2016. O pivô de 26 anos de idade e 2,23 m de altura foi um dos reforços para o reformulado elenco, que, entre outras movimentações, enviou Tiago Splitter para o Atlanta Hawks em troca de espaço salarial para contratar LaMarcus Aldridge.

Por isso, é natural que a equipe queira cuidar de seu patrimônio. Por meio de um comunicado no seu site oficial, o Spurs informou que Marjanovic foi submetido a uma série de exames com o Dr. Richard Ferkel, conceituado ortopedista americano, e que foi detectado um “edema ósseo significativo” em seu tornozelo esquerdo. Com a constatação da lesão, o veto é direito de um time da NBA.

Mas o caso promete não ser encerrado por aí. Depois de sofrer pressão no seu país, já que muitos sérvios passaram a questionar a gravidade da lesão de Marjanovic – que terminou a temporada 2014/2015 jogando normalmente – a federação nacional já ensaia enviar uma carta para o Spurs pedindo para que a decisão da franquia seja reconsiderada.

O acordo com a Fiba foi firmado há um bom tempo para que os jogadores da NBA enfim pudessem participar de competições internacionais com suas seleções. Por isso, é de se entender o interesse da Federação na época do acerto. Mas hoje em dia, com a internacionalização da liga americana, parece um privilégio desnecessário para as franquias em relação a outros clubes ao redor do mundo, que também têm o mesmo interesse na preservação de seus mais importantes jogadores.

Vale lembrar que, recentemente, o Spurs, que costuma levar a preservação física de seu elenco ao pé da letra, repetiu a polêmica ao vetar a ida de Manu Ginobili para a seleção argentina.

Em casos como esse, a decisão final deve ser do jogador. Claro que um atleta lesionado sofrerá pressão para que não jogue no sacrifício por sua seleção e, assim, corra um risco maior de comprometer a temporada em seu clube. É possível, até, que esse tipo de polêmica seja evitada com cláusulas quando uma franquia assina com um agente livre. Fato é que a Fiba precisa rever seu acordo para que a NBA não tenha mais tamanha influência nas importantes competições internacionais.



MaisRecentes

Tiago Splitter ainda tem lugar na NBA



Continue Lendo

Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Continue Lendo

Zaza Pachulia e a eleição para o All-Star Game



Continue Lendo