Polêmica entre a NBA e a Fiba é reaquecida



Mais um caso de lesão promete reaquecer as polêmicas envolvendo franquias da NBA e seleções de basquete. Isso porque o San Antonio Spurs resolveu valer-se do acordo da liga profissional americana com a Federação Internacional de Basquete (Fiba) para vetar a participação do pivô sérvio Boban Marjanovic no Eurobasket, competição continental europeia classificatória para a Olimpíada do Rio-2016.

Marjanovic é uma das novidades do Spurs para a temporada 2015/2016. O pivô de 26 anos de idade e 2,23 m de altura foi um dos reforços para o reformulado elenco, que, entre outras movimentações, enviou Tiago Splitter para o Atlanta Hawks em troca de espaço salarial para contratar LaMarcus Aldridge.

Por isso, é natural que a equipe queira cuidar de seu patrimônio. Por meio de um comunicado no seu site oficial, o Spurs informou que Marjanovic foi submetido a uma série de exames com o Dr. Richard Ferkel, conceituado ortopedista americano, e que foi detectado um “edema ósseo significativo” em seu tornozelo esquerdo. Com a constatação da lesão, o veto é direito de um time da NBA.

Mas o caso promete não ser encerrado por aí. Depois de sofrer pressão no seu país, já que muitos sérvios passaram a questionar a gravidade da lesão de Marjanovic – que terminou a temporada 2014/2015 jogando normalmente – a federação nacional já ensaia enviar uma carta para o Spurs pedindo para que a decisão da franquia seja reconsiderada.

O acordo com a Fiba foi firmado há um bom tempo para que os jogadores da NBA enfim pudessem participar de competições internacionais com suas seleções. Por isso, é de se entender o interesse da Federação na época do acerto. Mas hoje em dia, com a internacionalização da liga americana, parece um privilégio desnecessário para as franquias em relação a outros clubes ao redor do mundo, que também têm o mesmo interesse na preservação de seus mais importantes jogadores.

Vale lembrar que, recentemente, o Spurs, que costuma levar a preservação física de seu elenco ao pé da letra, repetiu a polêmica ao vetar a ida de Manu Ginobili para a seleção argentina.

Em casos como esse, a decisão final deve ser do jogador. Claro que um atleta lesionado sofrerá pressão para que não jogue no sacrifício por sua seleção e, assim, corra um risco maior de comprometer a temporada em seu clube. É possível, até, que esse tipo de polêmica seja evitada com cláusulas quando uma franquia assina com um agente livre. Fato é que a Fiba precisa rever seu acordo para que a NBA não tenha mais tamanha influência nas importantes competições internacionais.



MaisRecentes

Slam Dunk Contest trinta anos depois



Continue Lendo

Cristiano Felício aproveita caos do Bulls



Continue Lendo

Érika acha um lar adequado na WNBA



Continue Lendo