Palestina aparece como possível surpresa do basquete olímpico



Começou na quarta-feira, na China, o Fiba Asia, competição que vai dar ao seu campeão a última vaga direta do basquete masculino rumo à Olimpíada do Rio de Janeiro. A final do torneio continental está marcada para o próximo dia 3.

Até agora, estão garantidos no Rio Estados Unidos (campeão mundial), Brasil (país sede), Argentina, Venezuela, Nigéria, Austrália, França e Lituânia (classificados via torneios continentais).

Por enquanto, o Fiba Asia tem apenas três invictos. Em um dos grupos, a China, organizadora do tor neio, aparece com três vitórias em três jogos e já desponta como uma das potências da competição. No outro, o Irã, atual campeão, divide a liderança com a surpreendente Palestina, sensação desde a primeira rodada do torneio com a história vitória por 75 a 73 sobre Filipinas, que chegou com status de uma das favoritas ao campeonato.

Além de classificar seu campeão para a Olimpíada, o Fiba Asia ainda vai colocar o segundo, terceiro e quarto colocados no Pré-Olímpico Mundial, que acontece no ano que vem. As outras seleções garantidas na disputa são França, Sérvia, Grécia, Itália, República Tcheca, Canadá, México, Porto Rico, Angola, Senegal e Nova Zelândia.

O Pré-Olímpico Mundial de 2016 terá três chaves – cada uma delas vai classificar seu campeão para os Jogos do Rio. Por isso, além das 15 classificadas via torneios locais, o torneio ainda vai abrigar três anfitriões, que serão escolhidos pela Fiba. Caso o país-sede de um dos grupos seja uma das 15 seleções já listadas, será aberta mais uma vaga para seu respectivo continente.

É bem provável que a Fiba escolha um país-sede de cada um de seus centros mais representativos para o Pré-Olímpico Mundial – ou seja, Europa, América e Ásia. Por isso, é bom ficar de olho em China, Irã, Filipinas e na sensação Palestina para a definição olímpica.



MaisRecentes

Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Continue Lendo

Zaza Pachulia e a eleição para o All-Star Game



Continue Lendo

NBA e os polêmicos dois minutos finais



Continue Lendo