O ‘big ball’ do Hawks e a chance para Splitter



Nas últimas temporadas, fizeram sucesso na NBA times que investiram em formações com quatro jogadores mais baixos e leves abertos e um só pivô, apostando nos contra-ataques e nos arremessos de três pontos em sistema que se popularizou com o nome de “small ball”. Porém, o Atlanta Hawks mostra que pode virar a exceção da regra. Utilizando formações que usam, ao mesmo tempo, Paul Millsap, Al Horford e Tiago Splitter, grandalhões no garrafão, a franquia tenta se reinventar ao mesmo tempo em que o brasileiro briga por espaço.

Até agora, formações com Millsap, Horford e Splitter juntos ao mesmo tempo na quadra foram usadas em seis dos 14 jogos disputados pelo Hawks na temporada. Nestas partidas, a equipe de Atlanta venceu cinco e marcou 23 pontos a mais do que seus adversários no total. O sucesso da trinca fez com que ela fosse testada no quinteto titular uma vez, com o brasileiro promovido ao quinteto inicial – ele tem sido reserva desde o começo da temporada, quando veio do San Antonio Spurs via troca.

As análises táticas modernas de basquete prezam pelo espaçamento de quadra – ou seja, pela capacidade que um time tem de espalhar os adversários e tirá-los de perto do aro, principalmente por meio de arremessos. Então, como espaçar a quadra com três pivôs atuando?

Simples: com a capacidade de Millsap e Horford de arremessarem de longa distância. Coincidentemente, os dois arriscam 3,5 bolas de três por partida, com a boa taxa de conversão de 36,7%.

Formações com Millsap, Horford e Splitter juntos arremessam 19,6 bolas de três a cada 36 minutos, convertendo 36,8%. O Hawks, no geral, arrisca 19,2 tiros de longe a cada 36 minutos, acertando 35,8%.

Assim, o Hawks mostra que não é preciso diminuir o time para espaçar a quadra. Bom para Splitter, que deve ganhar mais chances.



MaisRecentes

Slam Dunk Contest trinta anos depois



Continue Lendo

Cristiano Felício aproveita caos do Bulls



Continue Lendo

Érika acha um lar adequado na WNBA



Continue Lendo