Lucas Bebê enfim tem chance na NBA



Em uma liga desgastante como a NBA, com 82 jogos na temporada regular, é normal que as lesões sejam parte de uma equação capaz de definir o futuro de muitos times e jogadores ao longo da temporada. Um bom exemplo disso é Lucas Bebê. Com a lesão do lituano Jonas Valanciunas, pivô titular do Toronto Raptors, o brasileiro enfim recebeu a oportunidade que pode definir seu futuro na liga profissional americana. E começou bem.

Ainda em busca da melhor rotação possível enquanto não tem Valanciunas, o técnico Dwane Casey resolveu dar uma oportunidade a Bebê e deixou-o em quadra por 16 minutos na vitória por 96 a 86 sobre o Atlanta Hawks, coincidentemente o time que draftou o brasileiro. E ele não decepcionou: com quatro pontos, sete rebotes e um toco, o pivô ajudou seu time a marcar 22 pontos a mais do que sofreu enquanto esteve em quadra.

A atuação deixou boa impressão. Tanto que, no dia seguinte, o brasileiro voltou a ficar 16 minutos em quadra na derrota por 106 a 105 para o Denver Nuggets, deixando a quadra com seis pontos, um rebote e uma roubada de bola e ajudando seu time a marcar três pontos a mais do que sofreu quando esteve em quadra.

Até então, Bebê tinha jogado somente três jogos, e seu recorde anterior era de seis minutos. Ele vinha recebendo mais tempo de quadra no Raptors 905, time da D-League, a liga de desenvolvimento da NBA, filiado à franquia de Toronto. Lá, o brasileiro disputou quatro partidas, com médias de nove pontos, 7,8 rebotes, 3,8 assistências e 2,8 tocos em 22 minutos por exibição.

Em comparação a Bruno Caboclo, outro brasileiro da equipe de Toronto, era de se esperar que Bebê causasse impacto mais cedo. O pivô chegou à NBA com 789 de minutos de experiência na Liga ACB, o Campeonato Espanhol de basquete, talvez o segundo melhor campeonato nacional do mundo. O ala, por sua vez, tinha somente 244 minutos no NBB, o campeonato brasileiro da modalidade, em sua carreira profissional.

Bebê é um pivô que tem ferramentas físicas e técnicas para se dar bem na NBA. Atlético e veloz, suas características, como o tempo de bola para os tocos e a agilidade no uso das mãos, fazem com que ele seja uma ameaça ao defender o pick-and-roll, já que pode tanto bloquear um arremesso quanto interceptar linhas de passes. Agora, precisa trabalhar do outro lado, já que hoje é uma ameaça ofensiva somente completando passes para pontes aéreas e subindo para a cesta após rebotes ofensivos.

Hoje, Bebê tem o maior desafio da carreira na NBA até aqui, já que o Raptors recebe o invicto Golden State Warriors. Uma boa atuação, mesmo com derrota, pode ser decisiva para seu futuro.



MaisRecentes

Slam Dunk Contest trinta anos depois



Continue Lendo

Cristiano Felício aproveita caos do Bulls



Continue Lendo

Érika acha um lar adequado na WNBA



Continue Lendo