Cristiano Felício joga para provar ponto



Quando Cristiano Felício anunciou que não tentaria uma vaga na Seleção Brasileira que disputará a Olimpíada do Rio de Janeiro para se concentrar em seu futuro na NBA, muita gente torceu o nariz. Mas as primeiras movimentações do Chicago Bulls no mercado mostram que a aposta pode dar bons frutos. Neste sábado, às 19h, com transmissão ao vivo do WatchESPN, o ala-pivô estreia na Summer League de Las Vegas com o time de verão do Chicago Bulls para começar a provar que está certo.

Cristiano Felício Foto Divulgação-NBA

Cristiano Felício luta para se afirmar (Foto: Divulgação/NBA)

O Bulls foi uma das equipes que mais se movimentaram no mercado após o fim da temporada. Começou enviando Derrick Rose para o New York Knicks em troca de José Calderón, Jerian Grant e Robin Lopez. Depois, mandou o armador espanhol para o Los Angeles Lakers, abrindo salarial para viabilizar a contratação de Dwyane Wade.

No processo, ainda perdeu Mike Dunleavy, que foi para o Cleveland Cavaliers; Pau Gasol, que foi para o San Antonio Spurs; e Joakim Noah, que foi para o New York Knicks. Por outro lado, o Bulls contratou o armador Rajon Rondo, que estava no Sacramento Kings.

Assim, o time deve começar a próxima temporada com Rondo e Wade como titulares do perímetro ao lado de Jimmy Butler. Os três não têm o arremesso de longa distância como ponto forte – somados, acertaram 133 bolas de três na última temporada, menos do que 29 jogadores converteram.

Por isso, o Bulls vai precisar que seus pivôs tenham pontaria calibrada de longa distância. E Felício pode ser de grande ajuda assim.

Na última temporada, o brasileiro converteu 40% dos seus arremessos de três pelo Canton Charge, time da D-League, a liga de desenvolvimento da NBA, filiado ao Bulls. Mostrou que tem potencial para ajudar como arremessador.

Felício chega a Las Vegas sem contrato garantido para a próxima temporada. O Bulls pode dispensar o brasileiro a qualquer momento, sem custos extras para isso. Por isso, a Liga de Verão será importante para que o jogador mostre que tem potencial exatamente no fundamento que o time mais precisa. É por isso que sua opção faz sentido.



MaisRecentes

Jogo das Estrelas e as opções da Seleção



Continue Lendo

Dawn Staley e o Dia Internacional da Mulher



Continue Lendo

Marcelinho Huertas e o azar na NBA



Continue Lendo