Cristiano Felício aproveita caos do Bulls



Anunciado desde a incoerente montagem do elenco, o caos instaurado no Chicago Bulls ameaça as chances de playoff do time. A equipe ocupa atualmente a sétima colocação na Conferência Leste, com 26 vitórias e 27 derrotas, com apenas dois jogos de vantagem para o Charlotte Hornets, que aparece em nono. Em meio a derrotas frustrantes e rusgas públicas, uma das poucas boas notícias para a franquia vem do Brasil. Com apenas 24 anos de idade, Cristiano Felício tem aproveitado as oportunidades recebidas para chamar atenção e provar que é um jogador de NBA.

As contratações de Rajon Rondo e Dwayne Wade para um elenco que já contava com Jimmy Butler soaram, desde cedo, estranhas para o que a liga profissional americana exige hoje em dia. Era difícil imaginar como encaixar três jogadores que gostam de ter a bola em mãos e que não arremessam bem da linha dos três pontos. O resultado foi um time que oscila entre grandes e péssimas apresentações e que já teve rusgas públicas entre os astros, deixando o ainda jovem técnico Fred Hoiberg cada vez mais ameaçado.

Mas, por incrível que pareça, o caos no Bulls criou um ambiente propício para Felício, que sustenta médias de 4,7 pontos e 4,8 rebotes em 15,1 minutos por exibição, prosperar. Grande parte de seus pontos vêm em rebotes ofensivos: até o fechamento desta coluna, o pivô brasileiro coletou 14,7% dos ressaltos que sobraram após bolas erradas do seu time, sexta melhor marca de toda a NBA. Relevante em uma equipe que tem o quarto pior aproveitamento nos arremessos de quadra da liga.

Outra fonte eficiente de pontos de Felício é o pick-and-roll. Jogando ao lado de passadores competentes como Rondo e Wade, o brasileiro tem estabelecido corta-luzes sólidos e corrido para perto do aro para receber o passe. Ao redor da cesta, ele acerta 62,6% dos seus arremessos, sendo que a média do aproveitamento da liga é de 56,4%.

Cristiano Felício vai bem perto da cesta (Reprodução/nba.com/stats)

Cristiano Felício vai bem perto da cesta (Reprodução/nba.com/stats)

Ainda há outro jeito em que Felício pode ajudar o Bulls. Na temporada 2015/2016, Cristiano Felício disputou quatro partidas pelo Canton Charge, na D-League, e converteu quatro dos dez arremessos de três pontos que tentou no campeonato. Um fundamento que deveria despertar a atenção dos treinadores de desenvolvimento da franquia.

De qualquer modo, Felício consegue, mesmo em um ambiente nocivo, provar que tem talento para continuar na NBA. Providencial para um jogador que será agente livre irrestrito ao fim da temporada.



MaisRecentes

Tiago Splitter joga para garantir futuro



Continue Lendo

MVP pode sair das mãos dos favoritos



Continue Lendo

Jogo das Estrelas e as opções da Seleção



Continue Lendo