Como um Warriors x Spurs ajudou a levar Varejão à Califórnia



Quando o San Antonio Spurs contratou o então free agent LaMarcus Aldridge na offseason, imediatamente passou a ser apontado como especialistas como a principal ameaça ao Golden State Warriors, que acabava de se sagrar campeão da temporada 2014/2015 da NBA. Isso ajuda a explicar como Jason Thompson chegou à franquia da Califórnia.

O ala-pivô é um jogador competente na defesa e, entre a temporada 2012/2013 e a 2014/2015, havia feito um trabalho de destaque especialmente marcando Aldridge. Segurou o jogador, então no Portland TrailBlazers, a um aproveitamento de 44% nos arremessos de quadra, sendo que, no período, o hoje astro do Spurs acertava, em média, 47% de seus tiros.

Acontece que, desde então, o Warriors tem sobrado. Apesar da bela campanha do Spurs, que venceu 47 de seus primeiros 56 jogos na temporada, o time de Golden State apresenta recorde de 49-5 e lidera a Conferência Oeste com três jogos de vantagem sobre a equipe texana.

Até agora, Warriors e Spurs se enfrentaram somente uma vez. Foi no dia 26 de janeiro, na Califórnia, e o time da casa aplicou incríveis 120 a 90. Mais do que isso: não precisou da ajuda de Thompson, que entrou em quadra só quando o jogo já estava decidido, para limitar a Aldridge a somente cinco pontos em 25:24 minutos. O astro da equipe de San Antonio errou sete dos nove arremessos de quadra que tentou naquele dia.

O desempenho certamente ajudou a decisão da diretoria do Warriors, que dispensou Thompson para contratar Varejão. O brasileiro terá de se esforçar muito para entrar em uma rotação interior bem estabelecida com Draymond Green, Andrew Bogut e Festus Ezeli, especialmente em uma equipe que tem grande parte de seu sucesso baseada em formações mais baixas, com só um jogador de garrafão em quadra.

Mas, ao dispensar Thompson, o Warriors prova que prefere apostar na reputação de Varejão como boa influência de vestiário e no conhecimento que ele traz do sistema tático do Cleveland Cavaliers, possível adversário em uma final – os dois times lideram suas conferências no momento. Ponto para o brasileiro, que construiu sólida carreira em seus 12 anos de NBA até aqui.



MaisRecentes

Tiago Splitter ainda tem lugar na NBA



Continue Lendo

Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Continue Lendo

Zaza Pachulia e a eleição para o All-Star Game



Continue Lendo