Cleveland Cavaliers de LeBron James começa a engrenar



O Cleveland Cavaliers, do “Rei” LeBron James, enfim começa a conseguir explorar o talento que tem. São oito vitórias seguidas, campanha de 13-7 e a quarta colocação na Conferência Leste. A vítima de terça-feira foi justamente o Toronto Raptors, líder da tabela de classificação: 105 a 101, em Ohio, com direito a grande virada no último quarto e exibição monstruosa do astro. Já é hora de temê-los?

A verdade é que a chegada de LeBron caiu no colo do Cavs. Ao contrário do Miami Heat, que em 2010 contratou o ala e Chris Bosh para montar sua trinca de astros ao lado de Dwyane Wade, a franquia de Cleveland não esperava a decisão do quatro vezes MVP da NBA, que, hoje bicampeão da liga, resolveu voltar para tentar um título com sua franquia da casa.

Prova disso era a clara reconstrução promovida no elenco. Eram vários jovens jogadores, como Kyrie Irving, 1ª escolha do Draft de 2011; Tristan Thompson, 4ª escolha em 2011; Dion Waiters, 4ª escolha em 2012; Anthony Bennett, 1ª escolha em 2013; e Andrew Wiggins, 1ª escolha neste ano. Fazendo o papel de veterano em meio às promessas, estava o brasileiro Anderson Varejão, hoje aos 32 anos de idade, que está na equipe desde 2004.

A questão é que, com a chegada de LeBron, a diretoria se viu pressionada a acelerar a reconstrução para aumentar as chances de título a curto prazo. Então lá foram Bennett e Wiggins para o Minnesota Timberwolves em troca de Kevin Love, que chegava credenciado pelas médias de 26,1 pontos, 12,5 rebotes e 4,4 assistências em 36,3 minutos por exibição obtidas na temporada anterior.

O novo Big Three estava formado: Kyrie Irving, LeBron James e Kevin Love. Mas, a princípio, sofreu com a montagem às pressas. Parte disso deve-se à presença, no banco de reservas, de David Blatt, que chegou gabaritado pelo título da Euroliga conquistado neste ano com o Maccabi Tel Aviv, mas com experiência zero de NBA.

A aposta de Blatt foi em montar seu time com quatro jogadores abertos, com Kevin Love funcionando como um stretch-four – ou seja, um ala-pivô mais arremessador do que com presença de garrafão. Hoje, o ala-pivô arrisca 4,8 bolas de três e acerta 1,8 – boa taxa de conversão de 36,8%. O pick-and-pop com LeBron vem funcionando desde a pré-temporada com eficiência.

Porém, aqui, vale uma observação. Na temporada passada, Love teve 19,31 oportunidades de rebote por jogo – ou seja, quando a bola caiu a até cerca de 1,07m dele -, e coletou 64,8% deles, liderando a NBA entre os alas-pivôs. Vale à pena tirá-lo da tábua ofensiva para transformá-lo em arremessador? Ou, ainda, será que não era possível encontrar um jogador mais eficiente para a função – como Tobias Harris (43,4% da linha dos três pontos), Marcus Morris (42,9%) ou Channing Frye (40,7%) – a um preço menor do que Wiggins + Bennett?

De qualquer modo, as oito vitórias seguidas e o triunfo sobre o Raptors, líder do Leste – ainda que desfalcado do astro DeMar DeRozan – mostram que a equipe está melhorando. Algo mais do que natural para um time que conta com tanto talento. Mas ainda há problemas a serem resolvidos.

O principal deles está no perímetro. Kyrie Irving e, especialmente, Dion Waiters têm de aprender a jogar sem a bola, que tem de ficar o máximo possível nas mãos de LeBron. O ala-armador já foi movido para a segunda unidade, mas mesmo assim segue com seu instinto de tentar pontuar sempre que acionado. O armador, por sua vez, é um arremessador confiável do perímetro e tem de explorar esta faceta quando joga ao lado de The King.

A presença de arremessadores também é importante, já que o time conta em sua rotação regular com jogadores como Shawn Marion, Anderson Varejão, Tristan Thompson e o próprio LeBron, que não espaçam a quadra. Mike Miller, hoje lesionado, e Matthew Dellavedova, voltando de contusão, serão fundamentais para abrir caminho para as infiltrações do camisa 23. O retorno do australiano, inclusive, se mostrou importantíssimo contra o Raptors dos dois lados da quadra na virada sobre o Raptors – o armador atuou por todo o quarto período.

Ainda há uma série de questões a serem respondidas por este Cavs. Irving e Waiters vão aprender a jogar com a bola sem ficarem insatisfeitos? O time titular com LeBron, Marion e Varejão pode continuar sem problemas de espaçamento de quadra? O brasileiro e Thompson podem proteger bem o aro em jogos decisivos? Love pode ser eficiente mesmo sem pisar no garrafão? Mas, mesmo assim, a equipe já dá mostras de que o talento está lá. Será o bastante para brigar pelo título?



MaisRecentes

Slam Dunk Contest trinta anos depois



Continue Lendo

Cristiano Felício aproveita caos do Bulls



Continue Lendo

Érika acha um lar adequado na WNBA



Continue Lendo