Brasileiros se dão mal no sorteio olímpico



Realizado ontem na sede da Fiba, na Suíça, o sorteio das chaves olímpicas não foi bom para a Seleção Brasileira masculina. Apesar de ter fugido dos Estados Unidos na fase de grupos, a equipe nacional provavelmente terá de encarar quatro pedreiras antes mesmo do início dos playoffs e, em um cenário pessimista, pode até não se classificar.

Argentina, Espanha, Lituânia e Nigéria estão confirmadas no grupo do Brasil. A sexta equipe vira de um dos três Pré-Olímpicos Mundiais. Isso significa que a Seleção ainda pode ter de encarar um oponente do nível de França, Grécia ou Sérvia, por exemplo.

Em outras palavras, a Seleção aprece entre um grupo que pode acabar a primeira fase tanto em primeiro quanto em quinto, embora a Espanha, mesmo sem Marc Gasol, pode ser considerada favorita – isso considerando que a Nigéria, apesar de contar com vários jogadores com experiência nos Estados Unidos, parece estar um degrau abaixo das demais.

Para se classificar, imaginando um cenário em que todo mundo bata os africanos, o Brasil precisa vencer ao menos mais um jogo. Mas passar em quarto provavelmente significaria enfrentar os Estados Unidos nas quartas – os americanos são ainda mais favoritos após China e Venezuela caírem em seu grupo.

Por outro lado, se conseguir vencer ao menos três jogos e avançar em segundo ou terceiro, o Brasil pode chegar mais facilmente às semifinais, já que o outro grupo, em tese, é mais fraco.

No feminino, por outro lado, a situação não é tão dura. As brasileiras fugiram dos Estados Unidos e têm Austrália e Japão confirmadas na chave até aqui. Ainda que a equipe da Oceania seja uma potência, as japonesas ocupam apenas a 16ª colocação no ranking da Fiba. Além disso, a Seleção tem chance de dar sorte no sorteio das outras três adversárias, que virão do Pré-Olímpico Mundial.



  • Atiliorp

    Para um esporte que todos temiam o Brasil , agora estamos com medo?

MaisRecentes

Jogo das Estrelas e as opções da Seleção



Continue Lendo

Dawn Staley e o Dia Internacional da Mulher



Continue Lendo

Marcelinho Huertas e o azar na NBA



Continue Lendo