Bauru joga por nova chance de se superar



Desde o honroso vice-campeonato da Copa Intercontinental, com direito a vitória sobre o Real Madrid no jogo de ida, a temporada do Bauru acumula uma série de obstáculos vencidos. Neste sábado, a equipe paulista recebe o Flamengo na quarta partida da final do NBB e, perdendo por 2 a 1, joga por mais uma chance de coroar essa campanha com o título.

Bauru tem Jefferson e Hettsheimeir como peças importantes (João Pires/LNB)

Bauru tem Jefferson e Hettsheimeir como peças importantes (João Pires/LNB)

A conturbada temporada começou com a inexplicável demissão de Guerrinha após a derrota para o gigante espanhol. Mesmo assim, aos poucos, a equipe, que antes concentrava sua ofensiva nos arremessos de três pontos, voltou ao primeiro nível com um jogo mais lento sob o comando de Demétrius.

Quando tudo parecia enfim caminhar normalmente, mais um golpe: a ruptura no ligamento cruzado anterior do joelho direito de Ricardo Fischer. A lesão fez com que o armador encerrasse sua participação no NBB com médias de 11,3 pontos, 5,3 assistências e 4,1 rebotes em 28,8 minutos por exibição. Além de tirá-lo desta decisão, encerrou seu sonho de defender a Seleção Brasileira na Olimpíada do Rio de Janeiro.

Mesmo assim, com Paulinho Boracini efetivado como titular e Alex ajudando na condução de bola e na criação de jogadas, o Bauru conseguiu ser forte o bastante para bater de frente com o Flamengo na final. Depois de perder a primeira partida em Marília, conseguiu a façanha de vencer no Rio. Mas aí veio o jogo 3…

Em uma metáfora do que foi a temporada de Bauru até aqui, o time, que parecia completamente fora do jogo até o terceiro quarto, conseguiu uma reação incrível para quase encostar nos anfitriões no último período. A retomada foi interrompida pela absurda marcação de bola presa após rebote defensivo coletado por Rafael Hettsheimeir.

Agora, no jogo 4, Bauru precisa superar mais esse obstáculo. Se mentalmente a equipe não foi capaz de continuar sua reação após o erro do árbitro, nesse jogo 4 é hora de mostrar que a equipe superou o trauma e tentar, pelo menos, jogar de igual para igual com o fortíssimo Flamengo para manter a série viva.

O Rubro-Negro tem a faca e o queijo na mão. Mas o Bauru só quer uma chance de continuar se superando.



MaisRecentes

Slam Dunk Contest trinta anos depois



Continue Lendo

Cristiano Felício aproveita caos do Bulls



Continue Lendo

Érika acha um lar adequado na WNBA



Continue Lendo