Bauru joga por nova chance de se superar



Desde o honroso vice-campeonato da Copa Intercontinental, com direito a vitória sobre o Real Madrid no jogo de ida, a temporada do Bauru acumula uma série de obstáculos vencidos. Neste sábado, a equipe paulista recebe o Flamengo na quarta partida da final do NBB e, perdendo por 2 a 1, joga por mais uma chance de coroar essa campanha com o título.

Bauru tem Jefferson e Hettsheimeir como peças importantes (João Pires/LNB)

Bauru tem Jefferson e Hettsheimeir como peças importantes (João Pires/LNB)

A conturbada temporada começou com a inexplicável demissão de Guerrinha após a derrota para o gigante espanhol. Mesmo assim, aos poucos, a equipe, que antes concentrava sua ofensiva nos arremessos de três pontos, voltou ao primeiro nível com um jogo mais lento sob o comando de Demétrius.

Quando tudo parecia enfim caminhar normalmente, mais um golpe: a ruptura no ligamento cruzado anterior do joelho direito de Ricardo Fischer. A lesão fez com que o armador encerrasse sua participação no NBB com médias de 11,3 pontos, 5,3 assistências e 4,1 rebotes em 28,8 minutos por exibição. Além de tirá-lo desta decisão, encerrou seu sonho de defender a Seleção Brasileira na Olimpíada do Rio de Janeiro.

Mesmo assim, com Paulinho Boracini efetivado como titular e Alex ajudando na condução de bola e na criação de jogadas, o Bauru conseguiu ser forte o bastante para bater de frente com o Flamengo na final. Depois de perder a primeira partida em Marília, conseguiu a façanha de vencer no Rio. Mas aí veio o jogo 3…

Em uma metáfora do que foi a temporada de Bauru até aqui, o time, que parecia completamente fora do jogo até o terceiro quarto, conseguiu uma reação incrível para quase encostar nos anfitriões no último período. A retomada foi interrompida pela absurda marcação de bola presa após rebote defensivo coletado por Rafael Hettsheimeir.

Agora, no jogo 4, Bauru precisa superar mais esse obstáculo. Se mentalmente a equipe não foi capaz de continuar sua reação após o erro do árbitro, nesse jogo 4 é hora de mostrar que a equipe superou o trauma e tentar, pelo menos, jogar de igual para igual com o fortíssimo Flamengo para manter a série viva.

O Rubro-Negro tem a faca e o queijo na mão. Mas o Bauru só quer uma chance de continuar se superando.



MaisRecentes

Raulzinho, o ‘Westbrook brasileiro’, e a paciência



Continue Lendo

Zaza Pachulia e a eleição para o All-Star Game



Continue Lendo

NBA e os polêmicos dois minutos finais



Continue Lendo