Ausência de Marquinhos na Seleção preocupa



Os jogadores da NBA já são desfalques certos. Leandrinho, Nenê, Tiago Splitter, Anderson Varejão e Vitor Faverani não vão defender a Seleção Brasileira masculina de basquete na Copa América, que será disputada entre 30 de agosto e 11 de setembro na Venezuela e dará quatro vagas para a Copa do Mundo de 2014, na Espanha. Além deles, Lucas Bebê também pediu dispensa e Augusto Lima, Scott Machado e Lucas Mariano foram cortados pelo treinador Rubén Magnano – o primeiro por contusão e os dois últimos por opção técnica. No entanto, entre todas as baixas, a que mais me preocupa foi anunciada nesta terça-feira: Marquinhos, que foi titular na Olimpíada de Londres-2012, terá de se ausentar por conta de uma contusão no joelho esquerdo.

Marquinhos será desfalque da Seleção (Divulgação/CBB)

Marquinhos será desfalque da Seleção (Divulgação/CBB)

LEIA MAIS: Lesão no joelho esquerdo tira Marquinhos da Seleção

Se com todo o grupo à disposição Marquinhos foi titular na equipe de Magnano, com tantos desfalques sua importância seria ainda maior. Tudo porque o ala joga na posição 3, carente no basquete nacional. Com talento e 2,07m de altura, exerce uma função que o torna peça importante no time.

Entre os demais atletas de perímetro que ainda estão na lista de Magnano, Arthur, com 2,00m, é o mais alto. Nenhum outro chega aos dois metros. São eles: Marcelinho Huertas (1,91m), Alex (1,91m), Vitor Benite (1,90m), Rafael Luz (1,88m), Larry (1,85m) e Raulzinho (1,85m). A falta de tamanho fora do garrafão pode causar problemas para a Seleção dos dois lados da quadra.

Na defesa, é natural que usar um jogador mais baixo para marcar um mais alto cause desvantagens. Embora Alex tenha a força física necessária para defender sua posição perto do garrafão contra qualquer adversário, falta tamanho na hora de contestar arremessos, principalmente na cobertura. Algo que pode ser explorado, por exemplo, pelo argentino Marcos Mata (2,01m) e o dominicano Francisco Garcia (2,01m), alas perigosos que podem cruzar o caminho do Brasil na Copa América.

No entanto, no ataque, os danos podem ser ainda maiores. No domingo, no principal teste que fez até aqui, a Seleção perdeu para a Argentina por 85 a 80 na final do Super Four de Anápolis em partida preocupante. Diante de um perímetro baixo – o Brasil usou Huertas, Larry e Alex como titulares – os hermanos utilizaram uma defesa por zona 2-3 para expor a falta de opções da ofensiva verde e amarela.

As principais armas do Brasil foram anuladas facilmente pela Argentina. Os constantes pick-and-rolls, jogada preferida de Huertas, foram contidos pela presença constante de um pivô protegendo o aro dos hermanos. E os arremessos de média e longa distância eram sempre combatidos com disciplina tática – e, importante, com marcadores mais altos no perímetro.

No garrafão, o Brasil até poderia levar vantagem, principalmente no confronto de Rafael Hettsheimeir contra Luis Scola, que, apesar de craque, está longe de ser um defensor de elite. Mas, com homens de perímetro baixos sendo acompanhados por defensores mais altos, fica difícil conseguir encontrar ângulos para a execução do passe em direção ao interior. Marquinhos, acima da média na movimentação da bola, faz ainda mais falta por isso.

Uma alternativa para combater uma zona 2-3 seria a utilização de alas altos e atléticos, capazes de romper a defesa em direção à cesta e, no mínimo, cavar faltas. Mas essa figura inexiste no grupo – parte pela opção de Magnano de apostar em dois armadores ao mesmo tempo em quadra, e parte pela baixa oferta. É, de fato, um tipo de jogador raro no basquete brasileiro.

Por isso, a ausência de Marquinhos machuca tanto a seleção. Na defesa, pode faltar alguém para combater alas altos, e no ataque a Seleção ficará refém dos pick-and-rolls de Huertas e dos arremessadores. Pode ser pouco para tirar a vaga do Brasil, mas é o bastante para o sinal de alerta ser aceso.



  • Christian

    E o Fab Melo (jogador de NBA tb) pq não foi nem convocado ?

    Vc sabe informar ?

    • Kiko

      Ótima pergunta!

      • Christian

        Kiko, então vou responder a vc:

        Muito provavelmente ele e o Scott Machado foram alvo de represália do Magnano pelo fato de
        que na última convocação não atenderam ao chamado para priorizar os Summer Camps da
        NBA.

        Veja que o Fab Melo sequer foi chamado e o Scott foi mas logo em seguida foi desligado.

  • Ferreira

    Magnano é mesmo engraçado. Quem ele tinha que criticar ele não critica. Os jogadores que atuam na NBA pediram dispensa sem motivo algum, deixaram a seleção na mão e ele ficou calado, agora um jogador recém recuperado de uma cirurgia e que voltou a sentir dores, ai ele quer que jogue a força. Marquinhos não fez corpo mole e atendeu a convocação mesmo ainda estando em fase de recuperação, agora os demais da NBA c…e andaram pra seleção, por exemplo o Lucas Bebê, que pediu dispensa para acertar contrato e treinar com os Hawks e no final permaneceu na Espanha, e Magnano aceitou numa boa, e o pior: deve convoca-los futuramente, agora quanto ao Marquinhos está claro que não será mais convocado enquanto Magnano for técnico…Será que se fosse um jogador de NBA, Magnano daria tal declaração? É o velho mal do ”complexo de vira-latas”, só serve quando vem de fora, quem é daqui não serve… É por essas e outras que o basquete brasileiro só vai para o ralo, dia após dia.

    • Garcia

      Ferreira, se não me engano o Lucas Bebê foi um dos mais criticados pelo Magnano, ele disse que conversou com o atleta duas vezes e ele estava certo que o Lucas se apresentaria a seleção e de ultima hora pediu dispensa…com o Faverani ele também contava e a critica foi igual! Não acho que seja complexo de vira latas, o problema é que jogador por jogador tenho que concordar com o Magnano que os que estão na NBA são melhores que os que jogam no Brasil, a maioria faz pouco caso para a seleção mas o Magnano insiste, ele quer ver o grupo “completo” um dia pra poder testar o poder do Brasil frente as grandes seleções, só que estas dispensas estão cansando o cara, acho que uma hora ou outra ficaremos sem treinador se essas dispensas sem motivo continuarem…

  • Ferreira

    Ruben Magnano é mesmo engraçado. Quem ele tinha que criticar ele não critica. Os jogadores que atuam na NBA pediram dispensa sem motivo algum, deixaram a seleção na mão e ele ficou calado, agora um jogador recém recuperado de uma cirurgia e que voltou a sentir dores, ai ele quer que jogue a força. Marquinhos não fez corpo moloe e atendeu a convocação mesmo machucado, agora os demais da NBA c…e andaram pra seleção e Magnano aceitou numa boa, e deve convoca-los futuramente, agora quanto ao Marquinhos está claro que não será mais convocado…Será que se fosse um jogador de NBA, Magnano daria tal declaração? É por essas e outras que o basquete brasileiro só vai para o ralo, dia após dia…..

  • Alexandre Medina

    Vai ser bem difícil evitar a inédita não classificação pra um mundial. Não é querer ser pessimista, mas ter o Alex na posição 3 é algo impensável pois, por mais que ele tenha uma impulsão fantástica, não é a dele nem pra marcar nem atacar… O Magnano deveria convocar gente mais alta, como o marrentão Dedé, do São José. Já o Leo Mendl, que tinha jogado bem nos amistodos, ele preferiu cortar. E o Murilo? Penso que nosso supertécnico vai ter de tirar vários coelhos da cartola. Sou grande fã do MArquinhos e concordo com todas as colocações que vocês fizeram anteriormente!

  • Pingback: Uma Dominicana a menos, um Canadá a mais | LANCE! Livre()

MaisRecentes

Tiago Splitter joga para garantir futuro



Continue Lendo

MVP pode sair das mãos dos favoritos



Continue Lendo

Jogo das Estrelas e as opções da Seleção



Continue Lendo