Associação de jogadores também tem união de homens e mulheres



Entre quinta-feira e domingo, grande parte do pessoal envolvido no basquete nacional esteve reunido em Franca (SP) para o Jogo das Estrelas do NBB e da LBF, que se juntaram pela primeira vez na história na produção do evento. Oportunidade para que a associação de jogadores da modalidade, presidida por Guilherme Giovannoni, ala-pivô do Uniceub/BRB/Brasília e da Seleção Brasileira, organizasse uma reunião com os atletas para tratar dos assuntos que dizem respeito à instituição.

Giovannoni atendeu ao blog no saguão do hotel próximo ao Pedrocão em que a maioria dos jogadores e técnicos ficou hospedada e explicou qual a posição da associação em relação a vários tópicos referentes ao basquete nacional. Preferiu não externar quais os assuntos mais urgentes discutidos pela entidade para respeitar a política interna que julga adequada, mas foi solícito e falou sobre algo que me chamou atenção: a participação das mulheres.

Assim como aconteceu no Jogo das Estrelas, a associação também conta com a participação do basquete feminino. A ala Karla, da ADCF Americana, foi escolhida como representante das mulheres na entidade, e uma das prioridades da reunião durante o fim de semana em Franca foi ouvir quais as demandas das participantes da LBF.

Deste modo, o Jogo das Estrelas serviu para dar esperança ao basquete feminino nacional. A ideia de juntar o evento com o dos homens certamente aumentou a exposição para as mulheres. Posso falar por mim: pelo segundo ano seguido, fui convidado pela LNB para a cobertura do fim de semana. Por isso, no ano passado, não houve material tão aprofundado quanto sobre o dos homens no LANCE! – pela falta de um repórter in loco -, o que mudou neste ano. E saber que há uma entidade como a associação disposta a apoiá-las certamente é mais um indício de que dias melhores podem estar pela frente.

Giovannoni também foi solícito ao falar sobre outros assuntos com o blog. Elogiou a LDB, torneio sub-22 do NBB. O ala-pivô exaltou a evolução na qualidade do campeonato de jovens, e disse ver a transição entre as gerações do basquete nacional como algo natural com o passar do tempo. Segundo ele, a presença de estrangeiros na liga nacional não pode ser apontada como entrave para o processo por ser algo que eleva a qualidade da competição.

A recém-formada associação de técnicos, certamente inspirada no surgimento e na consolidação da de jogadores, também foi tema da conversa com o Giovannoni. O ala-pivô contou que foi convidado para participar da reunião dos treinadores em Franca, em iniciativa para fortalecer o diálogo entre as entidades. Ótima ideia.

Quem acompanha o basquete nacional sabe que ainda existem uma série de problemas a serem resolvidos na modalidade ao redor do país. Mas presenciar um evento como o Jogo das Estrelas e ouvir informações desse tipo sobre a associação de jogadores certamente renova a esperança dos amantes do esporte.



MaisRecentes

Slam Dunk Contest trinta anos depois



Continue Lendo

Cristiano Felício aproveita caos do Bulls



Continue Lendo

Érika acha um lar adequado na WNBA



Continue Lendo