A tendência e a resistência na NBA



Pode-se dizer que, nos playoffs da última temporada da NBA, o Memphis Grizzlies foi o principal obstáculo no caminho do Golden State Warriors, que viria a ser campeão da liga. Mesmo com o armador Mike Conley jogando no sacrifício, a equipe de jogo pesado, físico e ofensivamente centrada em Zach Randolph e Marc Gasol no garrafão chegou a abrir 2 a 1 na Conferência Oeste, colocando a brilhante campanha obtida pela franquia de Califórnia na fase de classificação em xeque.

Foi com o placar adverso que o técnico Steve Kerr, então novato, fez o ajuste mais importante de sua carreira até aqui: colocou o pivô Andrew Bogut para marcar o ala-armador Tony Allen, especialista na defesa. Aproveitando-se da falta de arremessadores do Grizzlies, o Warriors passou então a povoar o garrafão e dificultar a vida de Randolph e Gasol.

Sem conseguir pontuar, o pesado Grizzlies passou a ver a leve equipe de Golden State finalmente impôr seu estilo, conseguindo cestas fáceis com contra-golpes e arremessos de longa distância e evitando que a forte defesa do time de Memphis conseguisse se postar. Assim, o Warriors caminhou para vencer a série por 4 a 2.

Mais do que um problema para o Warriors superar, a série mostrou a tendência da NBA moderna.

Em 2014, o San Antonio Spurs venceu o Miami Heat na final da NBA jogando, em boa parte da campanha, com Tim Duncan e Tiago Splitter como dupla titular de garrafão. Esse tipo de formação, com dois pivôs clássicos, pode demorar para conseguir consagrar outro time como campeão – tanto que a franquia texana já não tem mais o brasileiro e, para seu lugar, contratou LaMarcus Aldridge, jogador capaz de espaçar a quadra com seu arremesso.

Desde a derrota para o Warriors, o Grizzlies fez movimentações que tentavam fortalecer sua identidade. Na offseason, foi atrás de Matt Barnes, ala capaz de defender e de converter bolas de três. Buscou as mesmas qualidades trazer Mario Chalmers do Miami Heat. E encontrou em JaMychal Green um ala-pivô trabalhador e reboteiro capaz de manter o estilo nos minutos de descanso de Randolph.

Enquanto isso, o atual campeão da NBA, que tem como titular na posição 4 Draymond Green, que é muito mais um ala do que um pivô, segue impondo seu estilo de velocidade, espaçamento de quadra e arremessos de longa distância. Como resultado, venceu seus dez primeiros jogos na temporada 2015/2016, com seu astro Stephen Curry quebrando um recorde atrás do outro. Dois desses triunfos foram sobre o Grizzlies, um deles por 50 pontos. Não está fácil a vida da resistência…



MaisRecentes

Tiago Splitter joga para garantir futuro



Continue Lendo

MVP pode sair das mãos dos favoritos



Continue Lendo

Jogo das Estrelas e as opções da Seleção



Continue Lendo