Desgaste, poucos treinos e derrotas: a queda de Dedé no Vasco | Lance!

Desgaste, poucos treinos e campanha ruim: a queda de Dedé Barbosa no Vasco



Dedé Barbosa - Vasco

Dedé Barbosa: 20 vitórias e 26 derrotas à frente do Vasco no NBB. Foto: Divulgação LNB

O Vasco da Gama anunciou na noite de ontem o desligamento do técnico Dedé Barbosa. Segundo o vice-presidente de quadra e salão do clube, Luiz Ferreira, a troca é “a melhor solução em prol do excelente grupo de atletas que temos”. Traduzindo: na análise cruz-maltina, ele não conseguiu fazer jogar um elenco que, no papel, foi aclamado como favorito ao título do NBB Caixa. Era para estar brigando pelo G4, e não no fundo da tabela — ocupa hoje a 11ª posição.

A gota d’água foi o massacre sofrido para o Paulistano, transmitido em TV aberta (Band).

Mas a vida de Dedé não foi fácil. A começar pelo desgaste dos salários atrasados — quando perdeu temporariamente o craque do time, David Jackson. Por mais comprometido que seja um elenco, inconscientemente é impossível render 100% de bolsos vazios.

Outro fator que pode ter contribuído para o mal desempenho do Vasco neste NBB 10 é o pouco volume de treinamentos. Para não desgastar um grupo com média de idade elevada, Dedé costumava trabalhar a equipe em apenas um período. Treinos específicos para cada posição eram raríssimos. Aquelas imagens da pré-temporada com treino físico na praia? Foi só aquela vez.

Quem assume o comando é o auxiliar Christiano Pereira. Na verdade, ele reassume o posto que foi seu no título da Liga Ouro de 2016 e no início do NBB 2016/2017. O novo velho treinador já estreia hoje, às 20h, contra o Banrisul/Caxias do Sul, no ginásio de São Januário.

CURTA BASQUETE BRASIL NO FACEBOOK:

O retrospecto de Dedé

Somando todas as competições (inclusive o título da Copa Avianca, torneio preparatória para esta edição do NBB), Dedé Barbosa teve aproveitamento de 52% à frente do Vasco, com 30 vitórias em 57 jogos. Especificamente em partidas do NBB, foram 20 vitórias em 46 jogos (43%). Antes, fizera campanha histórica no NBB 7 (semifinalista com o Limeira) e, na edição seguinte, levou o modesto Rio Claro às quartas de final.