Novo



Esta coluna foi escrita antes da final da Copa Sul-Americana, de modo que não deve ser lida à luz da primeira conquista internacional do Club Athletico Paranaense ou de uma grande decepção que possa ter ocorrido na Arena na noite de ontem. E a página é fechada por volta de 20h, excluindo a possibilidade de fazer duas versões e publicar a certa (ou a errada, como já se deu tantas vezes na história dos jornais…). De qualquer forma, o tema é o time que nasceu na terça-feira, e não o time que jogou na quarta.

“Nasceu” pode soar exagero, mas, com um novo escudo, novos uniformes e um nome reformado, é razoável dizer que se trata da apresentação de uma entidade que pretende se diferenciar e não mais olhar para trás. Distinguir-se até de si mesma. Além de um passo arrojado e corajoso, é uma forma inovadora, no Brasil, de lidar com as tradições que alimentam o futebol e situar o clube para um futuro que valoriza outros aspectos. A criação de uma marca talvez seja o mais importante deles.

Um distintivo, algo comum a todos os clubes, é um símbolo, não necessariamente uma marca. A marca vai bem mais longe. Enquanto um restaurante com o distintivo antigo do Atlético Paranaense sempre remeteria ao refeitório dos atletas, um bar com a nova marca (as quatro faixas abaixo das letras CAP) teria – terá? – um apelo distinto. O mesmo vale para peças de roupa, joias, acessórios… qualquer coisa que se queira vender para um público que adora o clube mas não a ponto de se sentir confortável ostentando as três letras entrelaçadas usadas até o início da semana.

Foi o que a Juventus fez ao repaginar seu brasão e lançar uma imagem que pode ser reconhecida até mesmo fora do ambiente do futebol, como um logotipo. O choque provocado pela ruptura com o que sempre se associou com a identidade do clube é natural, assim como o debate sobre a “propriedade da paixão”, mesmo em lugares, como a Itália, em que clubes de futebol têm donos. No Brasil, o Athletico começa a trilhar esse caminho para modificar a percepção pública do que é e do que pretende ser, embora esteja claro que o que acontecer no campo será determinante.

Neste âmbito, o Athletico já estava muito bem posicionado em termos estruturais e humanos para crescer no ecossistema do futebol brasileiro e da América do Sul, repetindo campanhas como a desta Copa Sul-Americana. O tratamento de imagem, diga-se, menos complexo do que seria em diversos outros clubes do país, permite planejar outro tipo de conquistas.



MaisRecentes

Roteador



Continue Lendo

Gabriel Gol, 22



Continue Lendo

Moeda no ar



Continue Lendo