Copo vazio



A leitura da lesão de Neymar como uma espécie de bênção disfarçada, para ele e para a Seleção Brasileira, é uma fantasia. O único aspecto que pode ser entendido como “positivo” em tudo o que se sabe desde o último domingo é que – pensando apenas na Copa do Mundo – há tempo suficiente para uma recuperação completa. Fissuras, fraturas, contraturas, entorses, cirurgias e fisioterapia fazem parte da carreira de profissionais do esporte, o que não significa que sejam experiências agradáveis em qualquer aspecto, ou mesmo convenientes.

Um exemplo apropriado: a cada vez que Messi se machuca e o prazo de recuperação é estabelecido, Barcelona prende a respiração ao imaginar o período sem seu principal astro. Imediatamente se calcula quantos jogos ele perderá, quando poderá retornar e surgem interpretações otimistas, do tipo “estará descansado e forte para o trecho decisivo da temporada”. Ok, faz sentido no aspecto físico de um futebolista que não é mais um menino e poderá reservar energias para o momento do ano em que sua presença é imprescindível. Ocorre que Messi pode sair e entrar no time de forma automática, sem que seja necessária a adaptação dele ou dos demais.

A Seleção, por óbvio, está longe desse cenário. Não é um produto finalizado como equipe e deve aproveitar o tempo até o Mundial da Rússia da maneira mais enriquecedora possível. E à luz da formidável entrevista de Tite ao jornal O Globo, o técnico pretende trabalhar a formação do time com variações para superar defesas congestionadas, como se viu no amistoso contra a Inglaterra. A ausência de Neymar nos jogos contra Alemanha e Rússia, no próximo mês, é muito prejudicial a esse plano por exclui-lo de contextos táticos e de funcionamento coletivo que serão fundamentais na Copa do Mundo.

Não é possível recortar a figura de Neymar do Brasil de Tite para que o time alcance sua melhor versão. Essa separação era notável no período da comissão técnica anterior e foi um dos motivos que a levaram ao fracasso. Na Rússia, Neymar precisa ser parte de uma ideia clara para todos, ele incluído. O que só se consegue com ensaios e testes, mesmo que o tempo disponível seja mínimo. A noção de que a Seleção Brasileira se beneficiará pelo “descanso” de seu camisa 10 é nonsense puro. Ao contrário, no processo de construção da equipe, as próximas semanas serão de muito trabalho.



MaisRecentes

Roteador



Continue Lendo

Gabriel Gol, 22



Continue Lendo

Moeda no ar



Continue Lendo