Tratamento



Não deixa de ser confortante ler/ouvir, após a estreia de um clube da Série A em umas das competições de futebol do Brasil, que tal equipe “precisa de tempo” para se desenvolver. Pode parecer uma leitura surreal, e é, mas este é o mesmo ambiente em que treinadores iniciam temporadas com o status de “pressionado”, e os programas especializados alertam que a massa de torcedores de determinado time – não importa qual – “não terá tanta paciência neste ano”. A indústria da espuma se retroalimenta, a audiência compra e o jogo sofre.

Este ciclo defeituoso estará protegido enquanto o processo de construção de times de futebol permanecer um mistério para a maioria. Um estado de coisas que não é exclusivamente produto da ausência de interesse em explicá-lo, mas, também, da ausência de interesse em conhecê-lo. Opiniões que se situam distantes do trabalho feito nos clubes ganham tração porque são recebidas e aceitas como relevantes, quando na verdade são apenas barulho, detritos, má utilização de espaços que não passam de perda de oportunidade e tempo. Um dos subprodutos da observação desinformada é a ilusão de que se pode tratar profissionalmente de um assunto sem saber do que se passa. Outro é a ideia de que é possível analisar trabalhos de comissões técnicas a partir do simples acompanhamento de jogos.

O conceito de tempo no futebol é complexo e ainda não foi decifrado, embora seja um aspecto determinante na trajetória de equipes. Quando se relaciona a duração da montagem de um time e o que ele apresenta em campo, é necessário oferecer argumentos que revelem o nível de informação que sustenta essa afirmação e as premissas nas quais ela se baseia. Motivo pelo qual dizer que um técnico “já teve tempo suficiente para mostrar resultados” é uma alegação quase sempre arriscada, especialmente se trouxer como base o desempenho de outro treinador, em outro clube, que trabalha com outras pessoas, em outras condições. A sugestão de que o jogo é um software e futebolistas são equipamentos instantaneamente programáveis é um enorme equívoco.

A disseminação do desconhecimento não interessa a ninguém no ecossistema do futebol. É danosa aos clubes, aos componentes das comissões técnicas, aos jogadores de todos os níveis, e, ainda que a impressão seja outra, até aos dirigentes responsáveis pela tomada de decisões. Não deveria interessar a quem consome futebol por qualquer via, mesmo que pareça um passatempo divertido com temas sem importância. O jogo ocupa um espaço nobre na vida de muita gente, e, como tal, merece um tratamento melhor.



MaisRecentes

Virtual



Continue Lendo

Falante



Continue Lendo

Vencedores



Continue Lendo