Espera



As informações que chegavam de Nova York, no início da noite desta quarta-feira, indicavam que os jurados do “Caso Fifa” ainda deliberavam a respeito do que viram e ouviram sobre os três únicos dirigentes envolvidos que se declararam inocentes. Não há previsão para o anúncio de um veredito e nem prazo máximo para que o paraguaio Juan Ángel Napout, o peruano Manuel Burga e o brasileiro José Maria Marin conheçam seus destinos. O júri tem solicitado documentos e transcrições de depoimentos, o que sugere que uma decisão não está próxima.

Burga, ex-presidente da federação peruana de futebol, é o único dos réus que foi acusado de apenas um crime. Napout, ex-presidente da federação paraguaia e também da Conmebol, teve de se defender de cinco acusações. Marin, de sete: conspiração para recebimento de dinheiro ilícito e conspiração para fraude e lavagem de dinheiro relacionadas à Copa do Brasil, Copa Libertadores e Copa América (duas acusações por torneio). Os jurados devem considerar cada acusação individualmente e chegar a conclusões unânimes. Nos casos de Napout e Marin, é possível que sejam absolvidos de certos crimes e condenados por outros.

Há um aspecto fundamental em relação às condenações: o governo americano não precisa provar que esses dirigentes receberam propina. Se os jurados se convencerem de que os acusados planejaram embolsar dinheiro ilícito, será suficiente para punir. A acusação é de “conspiração para…”, ou seja, o planejamento para cometer ilegalidades, o que em si é um crime nos Estados Unidos. Bancos americanos foram usados para transferências de valores, há gravações de reuniões realizadas em solo americano, assim como provas de que servidores de email e telefones celulares daquele país foram usados pelos acusados em suas comunicações.

Evidentemente também há os depoimentos das testemunhas da acusação, as pessoas responsáveis por distribuir o dinheiro. O argentino Alejandro Burzaco e o brasileiro José Hawilla concordaram em colaborar com a Justiça dos EUA, por intermédios de acordos de delação que perderiam a validade se mentissem no julgamento. Neste caso, além de não terem suas penas reduzidas, Burzaco e Hawilla responderiam por outros crimes. Marin segue em prisão domiciliar em seu apartamento em Nova York, de onde poderá sair para um presídio federal americano. Não é uma perspectiva agradável para “um homem rico, que não precisaria pedir propinas”, como sua defesa argumentou no tribunal.



MaisRecentes

Sete dias



Continue Lendo

Em voo



Continue Lendo

Não estamos prontos



Continue Lendo