“O PF dos caras”



Alejandro Burzaco, ex-executivo da empresa Torneos y Competencias, declarou na Corte Federal do Brooklyn (Nova York) que distribuiu cerca de cento e sessenta milhões de dólares em propinas a dirigentes de futebol. José Hawilla, ex-proprietário da Traffic, concordou em devolver cento e cinquenta e um milhões de dólares ao governo americano, em troca de uma pena mais branda por seus crimes. Eles eram os verdadeiros donos do futebol sul-americano, as pessoas que pagavam subornos aos cartolas que decidiam com quem negociar direitos de transmissão e exploração de competições.

Apenas entre Burzaco e Hawilla (vamos assumir o valor que deve ser ressarcido, ainda não devolvido integralmente, como um parâmetro do que virou propina), o montante destinado aos usurpadores do jogo no continente supera os trezentos milhões de dólares. É quase um bilhão de reais. Os direitos eram adquiridos por valores muito inferiores aos que se verificariam se houvesse licitações, o que permitia que os operadores pagassem subornos milionários e lucrassem em níveis estratosféricos com marketing e televisão.

No julgamento, Hawilla disse que pagava propina a Ricardo Teixeira para garantir que a Seleção Brasileira disputasse a Copa América com “os melhores” jogadores. Embora seja surreal que alguém deva ser subornado para que uma seleção vá a um torneio com sua versão mais forte, houve quem se escandalizasse com o que seria interferência no trabalho de técnicos, ignorando que a questão principal é o fato de um dirigente enriquecer dessa forma. Certos jogadores da Seleção eram explorados pessoalmente pelo Dr. Ricarrrrrdo. A partir de agora, ao menos o “argumento” de que a CBF é uma empresa privada ficará um pouco mais constrangedor.

De acordo com os depoimentos de Burzaco e Hawilla, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero também foram subornados em contratos relativos à Copa América e à Copa do Brasil. As transcrições de conversas telefônicas revelaram como o dinheiro – “o PF dos caras”, nas palavras de Hawilla; e “essa merda toda”, nas de Marin – era repartido. No caso da Copa do Brasil, é dinheiro que não chegou aos clubes que vivem atrasando salários e reclamando da crise econômica, mas foram/são responsáveis pela dinastia de Teixeira, pela aparição de Marin e pela manutenção de Del Nero.

O atual presidente da CBF não está sendo julgado em Nova York, embora a defesa de Marin tenha se esforçado para incriminá-lo ao apresentar seu cliente como um idoso confuso, incapaz de pedir propinas. Um tolo bem remunerado. Talvez os jurados acreditem.



MaisRecentes

Em voo



Continue Lendo

Não estamos prontos



Continue Lendo

Ferido



Continue Lendo