Acordo



1 – A presença de Luan não significa apenas um acréscimo de qualidade técnica ao Grêmio. É um reforço de personalidade, que devolve ao time de Renato Gaúcho o que às vezes lhe falta em termos de caráter de jogo.

2 – Por isso, também, os visitantes se sentem tranquilos em Itaquera, sabedores de que é preciso jogar para alcançar objetivos. A capacidade de ser a mesma equipe, independentemente do local e do adversário, é um dos desafios do futebol.

3 – Os movimentos iniciais mostram os dois times fiéis ao que sabem e pretendem fazer. O Grêmio é mais elaborado e construtor; o Corinthians tenta dosar a necessidade de ser ofensivo com a obrigação de se proteger.

4 – Cássio defende uma finalização que não saiu como Edílson gostaria. Jô cabeceia para fora uma bola que Itaquera supôs que entraria. Em ocasiões, o primeiro tempo é igual, embora o Grêmio tenha sido levemente superior.

5 – O Corinthians retorna do vestiário adotando uma posição um pouco mais adiantada, assumindo os riscos que acompanham quem pretende vencer pelas próprias virtudes. O perigo é que o Grêmio é plenamente capaz de punir esse avanço.

6 – Carille lança a carta Clayson, de participação decisiva em rodadas recentes, antes dos vinte minutos. A saída de Jadson é o sinal de que, uma vez mais, o meio de campo corintiano não fez seu papel. Esse é um dos maiores problemas do segundo turno do líder.

7 – O encontro ganha em temperatura e rispidez, algo natural pelo que está em disputa. Mas nunca é aconselhável confundir jogo com luta, por isso o momento de tendência à brutalidade dura pouco.

8 – Ao cobrar uma falta – que Fágner não deveria ter cometido – na lateral da área, Edílson mira o gol de Cássio e manda a bola no travessão. A chance mais evidente de um gol no segundo tempo é um susto para o Corinthians, que não conseguiu se aproximar de uma vitória tranquilizadora.

9 – É possível que se qualifique a partida com termos como “estudada”, o que com frequência é uma tentativa de disfarçar defeitos. Sob qualquer ótica, o encontro entre líder e vice decepcionou por não entregar o mínimo que se esperava. Mais do que empatar, não perder parece ser o objetivo que Corinthians e Grêmio compartilhavam.

10 – O Grêmio tem o “álibi” da Copa Libertadores, especialmente no que diz respeito ao foco. O Corinthians dá todas as mostras de já ter começado a eliminar rodadas, estratégia que revela confiança na vantagem na classificação e valoriza qualquer ponto somado, em qualquer circunstância.

11 – A questão que se apresenta é se não é cedo demais para tal expediente.



  • Paulo Pinheiro

    Fagner na Seleção é uma piada… Mas qual grande treinador não teve o seu “peixinho”?

    • André Kfouri

      Fágner não apareceu nas duas últimas listas.

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo