Saldão no Timão



Clubes interessados em inacreditáveis oportunidades de negócios não podem perder mais tempo: procurem o Corinthians o mais rápido possível, antes que a promoção termine. O estoque de jogadores é limitado e, pelo ritmo da liquidação, quem não se apressar terá de lidar com um tremendo arrependimento. Não é sempre que se vê uma tentativa tão evidente de reforçar rivais a qualquer custo, até com “operações casadas” do tipo perco dois e não contrato nenhum.

O constrangedor episódio com a Ponte Preta, no começo do ano, foi um valioso ensinamento ao departamento comandado por Flávio Adauto. O caso em que o Corinthians cedeu Lucca ao clube de Campinas em troca de um William Pottker que jamais foi entregue se converteu em um mapa seguido à risca nesta semana, na negociação com o Internacional por Valdívia. E deu certo: o Corinthians não contratou ninguém e ainda perdeu Giovanni Augusto. Sucesso!

Sim, porque o plano de “recuperar” um jogador que foi envolvido em uma transação mal sucedida por sua recusa em mudar de clube certamente terminará bem, não? Talvez haja quem acredite que Giovanni, que já não era utilizado, passou a se sentir melhor como jogador do Corinthians agora que se sabe que Valdívia não vem. Ou quem queira que as pessoas entendam que, de alguma forma, Giovanni “escolheu” ficar no clube. Na era do fake news e da pós-verdade, a falta de princípios e de compromisso – sem falar na mais absoluta falta de capacidade – elimina a preocupação em passar vergonha.

Pode-se criticar a diretoria de futebol do Corinthians de tudo, menos de não aprender com os próprios erros: tudo o que deu errado com a Ponte Preta também deu errado com o Inter, cem por cento de aproveitamento. Até mesmo os equívocos de posicionamento público, que prejudicam a imagem do clube pela exposição, foram religiosamente repetidos. Os bastidores do futebol não são um ambiente muito higiênico e é difícil saber precisamente quem está falando a verdade, mas estamos no terceiro mês da temporada e dois clubes já acusaram a diretoria corintiana de mentir. Seria um complô?

Se for, neste caso, será um exemplo de sabotagem interna. A área de Flávio Adauto, convertido por Roberto de Andrade em dirigente sem o mínimo preparo, só pode estar trabalhando contra o Corinthians. Há um saldão de jogadores em pleno andamento enquanto Fábio Carille tenta construir um time. A cada negociação, duas perdas em troca da ilusão de uma contratação. Foi Adauto quem disse que o #valeudrogba foi um caso de amadorismo. Ele deve saber do que fala.

(publicada em 6/4/2017, no LANCE!)



MaisRecentes

Vencedores



Continue Lendo

Etiquetas



Continue Lendo

Chefia



Continue Lendo