No LANCE! de hoje



OS TRÊS PRIMEIROS

Podemos concordar que os três melhores times do Brasil, em 2016, foram os três primeiros colocados no Campeonato Brasileiro, na ordem em que terminaram? Embora o jogo seja caraterizado pela diversidade de opiniões, parece difícil fugir a essa conclusão: Palmeiras, Santos e Flamengo. E observando a transição para 2017, seria um equívoco deixar de apostar nesses três; eles têm base, experimentação e qualidade para seguir na ponta na próxima temporada, colhendo os frutos da continuidade. Há uma interessante questão, no entanto, relativa ao campeão brasileiro. Comecemos com ele.

Se Cuca permanecesse à frente do banco no Allianz Parque, o Palmeiras mereceria a primeira escolha para coisas boas no ano que vem. Seria a sequência de um trabalho vencedor, com o mesmo treinador no comando de um grupo de capacidade comprovada. Mas esse cenário deixou de existir quando houve a necessidade de substitui-lo. Eduardo Baptista foi a opção correta diante dos técnicos disponíveis, mas sua chegada representa, além das óbvias diferenças no aspecto pessoal, uma nova maneira de trabalhar e jogar. Será interessante acompanhar como esse processo se dará.

O Palmeiras é o maior desafio da carreira de Baptista, um treinador atualizado e compenetrado. Se receber um elenco que gerou um título brasileiro é garantia de material humano de alto nível, administrar o pós-conquista e seus efeitos no dia a dia não é uma tarefa simples. Baptista propõe um jogo menos direto do que o que marcou o Palmeiras de Cuca, uma versão que pode ser exatamente o desenvolvimento prático que se espera ver no campeão nacional. A questão é se ele conseguirá extrair esse jogo do grupo que tem em mãos, e como lidará com a demanda por resultados imediatos.

O Santos foi o time mais moderno do Brasil neste ano. As variações de formatos e intérpretes no conjunto de Dorival Júnior comprovaram que jogadores podem desempenhar papéis que lhes pareçam estranhos, desde que ensaiem e aperfeiçoem essas funções no campo de treinamento. Não deveria chamar a atenção, em um ambiente de futebol que sempre se orgulhou de virtuosismo técnico, o fato de uma equipe ser capaz de iniciar movimentos ofensivos com seus zagueiros. Ou alcançar índices de passes totais – e completos – muito superiores aos tradicionais no país.

Com a permanência de Dorival e um planejamento de contratação e formação de jogadores aplicado às ideias do treinador, espere um Santos ainda mais evoluído em 2017. E não se surpreenda se uma das novidades for o reposicionamento do formidável Renato para uma linha de três zagueiros quando o time estiver com a bola, algo que deverá ser notado com frequência cada vez maior. Dorival Júnior é um dos treinadores que se aperfeiçoaram nos últimos anos, motivado pela crença de que times brasileiros são perfeitamente capazes de atuar de forma mais próxima ao que se faz na Europa.

A evolução também está ao alcance do Flamengo, equipe que, por momentos do segundo semestre, praticou o futebol mais elaborado do país. A sugestão de que o rubro-negro disputaria o título até as últimas rodadas desvaneceu por uma combinação de previsibilidade e esgotamento, em que o primeiro aspecto se deve a um sistema que precisa ser sofisticado, e, o segundo, aos problemas logísticos. A questão do estádio não está sob o controle de Zé Ricardo e seus jogadores, mas o avanço na maneira de jogar, sim. A possibilidade da adição de Conca, em tese, é um passo adiante.

Suponha que o Flamengo desembarace a contratação e o meia argentino recupere condições para jogar em março. Assim como Diego, uma vez adaptado, Conca possui um tesouro técnico capaz de causar impacto instantâneo no futebol brasileiro. E ao lado de Diego, ele pode formar uma dupla de “camisas 8” (na linha de três antes de Guerrero, por exemplo) que tornaria a leitura do Flamengo mais complexa para aqueles que deverão marcá-lo. O jogo de futebol é um sistema operacional aberto, à disposição de quem tem as ideias e a disposição para criar.

(publicada em 26/12/2016, no LANCE!)



  • André, espero que vc continue na mesa do Linha de Passe. Valeu!!

MaisRecentes

Presente



Continue Lendo

Em frente 



Continue Lendo

Acordo



Continue Lendo