No LANCE! de hoje



QUEM PROCURA…

Seja qual for sua opinião sobre o lance em que o árbitro assistente de vídeo atuou pela primeira vez em um jogo oficial, o episódio ocorrido no jogo entre Atlético Nacional e Kashima Antlers deixou lições valiosas. E apesar de ter gerado questionamentos, ao invés de diminui-los, o fato de ser um teste de um sistema que precisa ser aperfeiçoado fez com que a experiência imediatamente cumprisse seu papel.

Esta é a era da pós-verdade, na qual cada um acredita no que deseja que seja real. De modo que, mais do que opiniões, haverá conclusões precipitadas tanto a favor quanto contra o uso do vídeo para auxiliar a arbitragem. Por causa de um exemplo que teve a falta de sorte de envolver o aspecto interpretativo da lei do impedimento, os amantes do erro humano como fator de atração do futebol dirão que nem a tecnologia é capaz de esclarecer o que é “participar do lance”.

De fato, não é. Mas – crucial lembrar – não pretende ser. O protocolo de árbitro assistente de vídeo que está em ação no Mundial de Clubes da Fifa não tem o propósito de revisar situações de impedimento (exceto ao analisar possíveis irregularidades em gols validados), o que contribuiu para o aumento da polêmica em torno do pênalti marcado pela tecnologia a favor do time japonês. O primeiro ensinamento do teste feito ontem é esse: ao procurar o que quer, o vídeo pode encontrar o que não quer.

O debate em torno do apito eletrônico não pode ignorar que equipes de arbitragem alteram, com assustadora frequência, o resultado de jogos de futebol porque a dinâmica do esporte superou a capacidade humana de mediá-lo. A jogada em questão passou totalmente despercebida. O sistema que está em testes tem totais condições de corrigir esse problema sem prejudicar o fluxo das partidas ou estimular dúvidas, desde que se encontre a configuração correta.

RECOMEÇO

É confortante ver os brasileiros que sobreviveram ao desastre aéreo em Medellín retornando ao país e protagonizando cenas emocionantes em Chapecó. E é incrível pensar que, após tudo o que já superaram, a recuperação é uma jornada que ainda está começando e vai acompanhá-los para sempre. Que prossigam e possam participar da reconstrução da Chapecoense.

CAOS

O Corinthians caminha para o fim do ano com mais um exemplo do caos gerencial que contaminou o clube: em vias de demitir Oswaldo de Oliveira, contratado há dois meses, sem que o mercado apresente opções que representem otimismo para a próxima temporada. E há quem acredite que o verdadeiro problema foi não ter conseguido uma vaga na Copa Libertadores.

ATUALIZAÇÃO: O Corinthians demitiu Oswaldo de Oliveira na hora do almoço desta quinta-feira.

(publicada em 15/12/2016, no LANCE!)



  • Paulo Pinheiro

    André, no projeto sobre apito eletrônico qual é a previsão para o responsável pelas gerações das imagens? Quem vai investir nas câmeras? A entidade organizadora do certame?
    Pra mim esse é o ponto fundamental. Um árbitro de vídeo pode ser eficientíssimo pra apontar irregularidade em um lance… e fechar os olhos para lances do time adversário. E se a geração das imagens for responsabilidade da imprensa local o problema aumenta.
    Essa é a única questão pra mim com relação ao projeto. De resto sou totalmente a favor. O argumento de que vai “tirar a graça do futebol” só pode vir de quem tem time pequeno, que só consegue chegar lá via erros de arbitragem.

    • André Kfouri

      Aqui no Brasil será a detentora dos direitos de transmissão da competição. Os árbitros de vídeo estarão em uma cabine com acesso aos replays. Um abraço.

MaisRecentes

Em frente 



Continue Lendo

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo