No LANCE! de hoje



O TESOURO DO SABER

A conversa se encerrou em abril deste ano, quando Rafa Cabeleira escreveu no diário espanhol El País, que “se sabe que as vitórias e as derrotas de Pep Guardiola só interessam aos inimigos de Pep Guardiola, sejam estes declarados ou disfarçados”. É uma pena que nem todos esses inimigos tenham lido ou, mais provável, tenham lido sem alcançar a correta compreensão. A escolha sobre a classe de futebol que se prefere acompanhar está intimamente relacionada ao tipo de vida que se leva. É um direito de cada um, exatamente como se dá em outras áreas em que marcamos o que se pode chamar de posições pessoais. No caso em questão, como este espaço já destacou algumas vezes, apreciar futebol pobre é muito pior do que não gostar de futebol.

A quantidade de magoados que surge nas redes antissociais, retóricos e ruidosos, a cada vez que um time dirigido por Guardiola é derrotado diz o suficiente a respeito de uma certa maneira de ver o jogo. Ainda nas palavras definitivas de Cabeleira, eles passam grande parte de seu tempo em silêncio, escondidos, aguardando “o odor do incenso e das velas, para entrar em cena e apresentar seu showzinho habitual”. Calcule como deve ser doloroso conviver com esse ferimento incurável. Dias como anteontem, em que o Manchester City de Guardiola levou quatro do Leicester, proporcionam alguns minutos de alegria intensa, acompanhada de uma noção de “vingança” que converte o Twitter na versão moderna das portas de banheiros de rodoviárias.

Na semana que passou, a visão rasa sobre o futebol e a vida ganhou tração após as declarações de Renato Portaluppi, campeão da Copa do Brasil com o Grêmio. Sua “tese” de que “quem não sabe, vai estudar na Europa” estimulou a ignorância a tal ponto que há quem acredite, realmente, que é possível atingir o máximo do conhecimento a respeito de uma atividade que está em permanente evolução. Mais grave: há quem creia que um treinador que venceu uma copa aplicando retoques a um time montado por outro está apto a esse tipo de discurso fantasioso. O falso debate ocorre enquanto os melhores técnicos brasileiros – você sabe quem são – ressaltam a importância do aperfeiçoamento profissional e pessoal.

O simples fato de permitir tais anomalias é um testemunho da complexidade do futebol. E é triste que, numa época em que volumes colossais dessa complexidade estão disponíveis a qualquer pessoa, em diversos formatos, tanta gente opte por desprezar as oportunidades de se aprofundar e se satisfaça por não sentir falta do que ignora. Provavelmente não foi intencional, mas a frase de Portaluppi de certa forma sugere que técnicos de futebol podem ser bem sucedidos sem a devida imersão científica. Uma inverdade que, além de contrariar o sentido das coisas, ajuda a manter uma parte do público no escuro, porém alegre com o que julga saber. Aquele sujeito no Twitter até acha que poderia ser um bom treinador.

Voltando a Pep Guardiola, como Cabeleira escreveu, faz tempo que não há mais motivo para discussão. É fundamentalmente uma questão de como se compreende o que está todas as semanas na tela da televisão. Há três caminhos disponíveis para seguir a fase inglesa da carreira do técnico catalão, um processo que ainda está no início e se estenderá, no mínimo, por três temporadas: o primeiro é observá-la com atenção e interesse, apreciando a viagem para descobrir até onde ele levará o desenvolvimento do jogo; o segundo é aguardar cada derrota como um carnaval fora de época e se juntar ao bloco dos magoados; o terceiro é estudar. E não precisa ser na Europa.

NO CAMPO CAI, NO CAMPO VOLTA

O Internacional segue o caminho dos clubes gigantes que, vítimas do nanismo organizacional, submeteram suas torcidas à tristeza do rebaixamento. É dramático para todos, mas quem deve sentir vergonha são aqueles que têm suas impressões digitais no processo. A recuperação moral só é possível com a volta pelo campo.

(publicada em 12/12/2016, no LANCE!)



  • J.H

    É que resta ao Inter. Procurar mesmo a recuperação moral. Obrigado André! Grande poder de síntese! Falou tudo.!

MaisRecentes

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo

Sozinho



Continue Lendo