No LANCE! de hoje



MELHORES

A onda de gestos, iniciativas e exemplos foi globalmente avassaladora. A noite de quarta-feira no estádio Atanasio Girardot, em Medellín, extraiu toda a beleza que existe na tristeza e elevou o futebol a um patamar jamais alcançado. O escudo da Chapecoense, praticamente onipresente em camisas, faixas e telas ao redor do mundo do esporte, funcionou como a imagem de sentimentos nobres. O velório coletivo na Arena Condá nos conduziu por um ritual de despedida extenuante, única maneira de conferir a dias inimagináveis a necessária noção de encerramento.

A torre Eiffel iluminou-se de verde e branco, um símbolo e uma mensagem. O Atlético Nacional cantou em nome do time que não pôde enfrentar, ao vencer seu primeiro jogo após o desastre. Os jogadores do San Lorenzo, últimos adversários, entraram em campo com as camisas que trocaram em Chapecó. Gols marcados em gramados distantes foram dedicados aos que morreram; momentos de inabalável silêncio foram observados em sua memória; a cerimônia no Santuário Condá – será assim para sempre – transformou-se em um encontro do futebol mundial. Provas do poder da humanidade.

As organizações Globo homenagearam os jornalistas que se foram com um longo aplauso no Jornal Nacional; a Fox Sports os honrou com um jogo inteiro de silêncio; clubes decidiram batizar instalações como lembranças de seus serviços. No sábado, centenas de colegas lhes prestaram o máximo respeito cumprindo o dia de trabalho mais difícil de suas carreiras, especialmente na transmissão ao vivo pela televisão. A tragédia do voo LaMia 2933 toca fundo nos profissionais do futebol e nos profissionais da imprensa de esportes exatamente da mesma maneira, e pelos mesmos motivos.

Insuportável dor de quem perdeu filhos, pais, maridos, irmãos. Inacreditável luz interior de Ilaídes Padilha, mãe do goleiro Danilo, convertendo sofrimento em solidariedade ao consolar Guido Nunes, repórter do SporTV, na cena que se apoderou de um evento ainda incompreensível em suas repercussões e nos ofereceu o sentido que devemos percorrer. Diante da mais cruel das injustiças da vida, dona Ilaídes não só se interessou pela tristeza de outra pessoa, como foi capaz de confortá-la. Ela provavelmente não sabe, mas seu abraço em Nunes foi sentido bem longe dali.

Se o futebol é espelho da sociedade, os últimos dias nos mostraram sua face mais honrada, mais respeitável, mais digna. Há tempos o jogo está nas mãos de quem não se importa com seus valores, apenas com seu valor. Há tempos vem sendo corrompido também por quem se relaciona com ele da maneira mais mesquinha, disseminando o ódio por cores diferentes ou opiniões contrárias. Há tempos os sentimentos e atitudes predominantes no ambiente do jogo são incompatíveis com o que vimos e sentimos desde as primeiras horas da manhã de terça-feira passada.

Que as vítimas desse acontecimento trágico jamais sejam esquecidas. Que suas famílias encontrem as forças necessárias para seguir em frente. Que a Chapecoense e sua comunidade se reconstruam. Que um fato dessa natureza jamais se repita. Que a escolha que ele nos apresenta seja bem compreendida. Que o futebol se reaproxime de seu verdadeiro significado. E que nós sejamos melhores.

REFORMAS

Os passageiros do fatídico voo embarcaram no avião sem saber dos riscos a que seriam submetidos. Assim como todos aqueles que viajaram na mesma aeronave e pousaram sãos e salvos. A investigação do episódio começa a revelar níveis inacreditáveis de irresponsabilidade, mais do que suficientes para que práticas sejam imediatamente revistas por clubes e demais entidades esportivas. E os jogadores de futebol, acostumados a passar boa parte de suas carreiras voando entre uma partida e outra sob a impressão de que tudo é planejado com as prioridades corretas, precisam se fazer ouvir na tomada de decisões.

(publicada em 5/12/2016, no LANCE!)



  • Magnosama

    Parabéns pelo texto, André.
    Ótima leitura.

  • J.H

    Parabéns pelo texto. A cena da mãe do Danilo com o repórter foi de uma beleza humana esplendorosa.A expressão do jovem profissional ao abraça-la fortemente em prantos, foi a imagem definitiva do evento. Depois disso, nada mais foi significativo nas transmissões da TV.

MaisRecentes

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo