Gracias Medellín



Gracias Medellín. Por abrir seu estádio para que “sejamos uma só luz”.

Gracias Medellín. Por atrair milhares de colombianos a uma cerimônia em que não se chorou a morte de nenhum colombiano.

Gracias Medellín. Por convidar o mundo do futebol a uma noite de celebração de humanidade. E por nos receber com tanto afeto gratuito. 

Gracias Medellín. Por nos comover pelo que não somos, pelo que deveríamos ser, pelo que deveríamos ser capazes de fazer. Todos os dias. 

Gracias Medellín. Por uma quarta-feira de futebol em que a bola ficou imóvel, emocionada por sua capacidade de reunir pessoas em nome dela. 

Gracias Medellín. Pelo branco, pelo verde, suas cores, nossas cores, ontem, hoje e sempre. 

Gracias Medellín. Pelo auxílio, pelo cuidado, pelo esforço, pela solidariedade, pelo exemplo, pela lição. 

Gracias Medellín. Por recolher os mortos e tratar os feridos, estejam eles nos seus hospitais ou em Chapecó, em São Paulo, no Rio de Janeiro, no Brasil. 

Pois feridos, de uma forma ou de outra, todos ficamos, todos somos. Gracias Medellín. 

Gracias Medellín. Também por uma dose de constrangimento provocada pela dúvida se seríamos assim. E pela impressão de que não seríamos. 

Gracias Medellín. Pela lembrança do verdadeiro significado do futebol, e das sensações que ele nos proporciona. 

Gracias Medellín. Pela mensagem aos corações mais afetados por essa tragédia indescritível, a de que eles não estão sozinhos, apesar de se sentirem perdidos. 

Gracias Medellín. Por nos apontar o caminho que provavelmente não seguiremos. E é por isso que também choramos. 

Gracias Medellín. Muchíssimas gracias. 



MaisRecentes

Alerta



Continue Lendo

Escolhidos



Continue Lendo

Carente



Continue Lendo