Brasil 5 x 0 Bolívia



1 – O que se pede aos times amplamente superiores no aspecto técnico é que vençam como equipes, não apenas pelo brilho individual em situações ocasionais. Diante da quase obrigação de vitória contra a Bolívia, a Seleção Brasileira seria avaliada pela maneira como chegaria ao resultado. 

2 – O primeiro gol expôs as melhores sensações: bote de Neymar na saída boliviana, pedido de tabela atendido por Gabriel Jesus. Tudo de primeira. Brasil 1 x 0 individualismo.

3 – No segundo, linda associação entre Daniel Alves e Giuliano, na direita. A jogada do meia do Zenit até o passe para o gol de Phillippe Coutinho foi mais um indício de que convocá-lo é um escândalo que merece investigação.

4 – Assistências de Neymar para Filipe Luís e Gabriel Jesus, 4 x 0. O Brasil não apenas não se satisfez com o total controle do jogo, como manteve a intensidade de marcação e criação. Finalizações dignas de elogios do lateral do Atlético de Madrid e especialmente do atacante do Palmeiras, que conseguiu um toque por cima do goleiro apesar do espaço curto.

5 – Havia onze anos que a Seleção Brasileira não marcava quatro gols no primeiro tempo.

6 – Ótimo jogo de Neymar, fora um destempero (que pode – atenção: PODE – ter sido exagerado propositalmente) no momento em que levou o cartão amarelo que o dispensa da viagem a Mérida. Substituído, tardiamente, após sofrer uma cotovelada no rosto. 

7 – Firmino, que entrou no lugar de Gabriel Jesus, elevou a goleada para 5 x 0. O encontro em Natal já estava muito além de resolvido, e Tite seguia orientando a marcação agressiva quando o Brasil perdia a bola.

8 – Sim, é a Bolívia ao nível do mar. Mas os quatro gols do primeiro tempo foram construídos, como se espera que times superiores vençam.



MaisRecentes

Escolhidos



Continue Lendo

Carente



Continue Lendo

Hoje tem



Continue Lendo