No LANCE! de hoje



DISFARCE

Uma arma na cabeça, apontada por um bandido disfarçado de policial, é uma característica tão própria da Olimpíada no Brasil quanto a formidável cerimônia de abertura ou os elogios à simpatia e à hospitalidade das pessoas. Inúmeros cariocas podem se identificar com a assustadora experiência de Ryan Lochte e outros três nadadores americanos, passageiros de um táxi interceptado por assaltantes na madrugada de ontem. Em outras metrópoles do país, o método pode ser diferente, mas a violência e a frequência são semelhantes.

A aflição com a segurança da “família olímpica” no Rio de Janeiro tem sido tema de reuniões do Comitê Olímpico Internacional desde que os Jogos começaram. Advertências como “os atletas estão nervosos e preocupados” foram lançadas na abertura do congresso da entidade, quando o presidente do COI, Thomas Bach, falou sobre o desafio de realizar a Olimpíada em “um país que atravessa uma crise econômica e política sem precedentes”. O episódio com Lochte, atleta de alto perfil, certamente não servirá para acalmar os ânimos nos gabinetes ou as mentes na Vila Olímpica.

O saldo do assalto aos nadadores americanos é rigorosamente igual ao de todos os acontecimentos dessa natureza que “terminaram bem”. Um susto colossal que deixará feridas psicológicas de profundidades variadas, mas tudo o que foi perdido se resume a dinheiro e objetos. Lochte e seus amigos certamente ouviram que “tiveram sorte”, pois poderia ser muito pior. Fato. Não diminui a gravidade do perigo a que todos estamos expostos nas ruas do Brasil, certos horários e locais piores do que outros, e nem pode ser usado como argumento para maquiar a percepção da realidade da Olimpíada no Rio. Mas, ao final, é o que de fato importa. Lochte foi vítima de um crime, felizmente não de uma tragédia.

Alguém dirá que os nadadores americanos aceitaram correr riscos ao sair da Vila Olímpica por conta própria para ir a uma festa, o que também é fato. A questão é que tipo de experiência se deseja oferecer aos atletas visitantes; uma que vende o medo (“não saiam da Vila”) ou uma que vende o Rio (“aproveitem, mas com cuidado”)? Ademais, foi o próprio comitê organizador dos Jogos quem declarou que a cidade seria a mais segura do mundo durante a Olimpíada, de modo que responsabilizar quem acreditou nisso é um irresponsável ato de cinismo. O maior risco está na propaganda do impossível: a suspensão da criminalidade em uma grande cidade brasileira por um período determinado.

Quem não pode se fazer de indignado é o COI, que sempre teve exata noção da aventura brasileira e sabe que, enquanto é viável imaginar um ambiente olímpico controlado, a cidade seguirá recebendo a todos com seus encantos e problemas. Reclamar agora soa ingênuo, porque obviamente inútil. Pode também soar falso, pois os senhores dos anéis têm pouco a temer. Hospedados nos melhores hotéis do Rio de Janeiro e protegidos por segurança particular ao sair para jantar, eles não precisam se preocupar com ladrões camuflados de policiais.

NERVOS

O nível de irritação da seleção brasileira foi o ponto negativo da atuação do sábado à noite. Especialmente por parte de Neymar, que se arriscou a desfalcar o time na sequência da Olimpíada. Confunde-se coragem com irresponsabilidade na tentativa de se estabelecer como aquele que fala mais alto, e se deixa de praticar futebol para punir o adversário violento com jogo. No caso de Neymar, é curiosa a diferença de comportamento em relação ao que se vê no Barcelona. Oponentes costumam tratá-lo com brutalidade, ao que ele responde com esperteza. Na seleção, perde a calma e procura o revide. Neymar é o jogador mais importante da seleção e o motivo pelo qual os adversários tentam desestabilizá-lo é evidente. Não há razão para assumir uma postura diferente da que mostra em seu clube, que também precisa dele para vencer.

(publicada em 15/8/2016, no LANCE!)



  • Alisson Sbrana

    A história dos nadadores americanos, pelo que leio em notícias recentes, pode não ser bem essa, mas valeu a pena pelo ótimo texto que inspirou. Recentemente li, acho que no “El País”, um texto da Eliane Brum sobre a identidade nacional, ou melhor, sobre o esfacelamento recente dessa nossa identidade, desde que “ganhamos” as olimpíadas. Não sei se interpretei corretamente, mas acho que os dois textos conversam. Ao passar um ano em Portugal, um lindo país assolado pela crise econômica (vi a Euro na Av dos Aliados, em Porto), entendi um pouco melhor essa coisa que é ser brasileiro, mesmo que a gente não consiga definir direito ultimamente (carona no texto da Brum). Essa porção de violência arraigada na nossa miséria, na nossa incapacidade de educar bem, que vai nos acostumando a essas notícias terríveis (sendo falsa, não deixa de ser terrível alguém de fora inventar algo e todo mundo só pensar que “eles tiveram sorte”)… alguém dirá que aceitamos correr os riscos de tanta gambiarra. Enfim, fora o Temer, dever ser isso mesmo.

  • Edouard

    O fato de que, aparentemente, os atletas americanos se aproveitaram da sensação generalizada de medo para justificar circunstâncias inconfessáveis altera um pouco o panorama das coisas. Ou não? Estive no Rio de Janeiro e a sensação de perigo não se fez presente, mas não sei se porque sou brasileiro e estou acostumado a um permanente estado de atenção. O fato de que vários atletas têm optado por circular na cidade durante a madrugada mesmo após episódios de violência denota que os pensamentos do cartolas preocupados não está em sintonia com o dos atletas que surfam na onda do medo generalizado. Um abraço.

    • André Kfouri

      Altera o panorama deste caso, claro. Mas um membro da delegação britânica foi assaltado à mão armada na madrugada de terça, gerando uma ordem desaconselhando saídas da Vila. O Rio – como qualquer outra cidade brasileira deste porte – é o Rio com ou sem Olimpíada, e as pessoas devem saber onde estão. Meu ponto é com a propaganda diferente da realidade, e com a falsa indignação. Um abraço.

  • Ailton Souza

    Prezado AK

    Texto anterior correto para situação errada não deveria haver uma retratação por parte do blogueiro?
    “O saldo do assalto aos nadadores americanos é rigorosamente igual ao de todos os acontecimentos dessa natureza que “terminaram bem”. Um susto colossal que deixará feridas psicológicas de profundidades variadas, mas tudo o que foi perdido se resume a dinheiro e objetos. Lochte e seus amigos certamente ouviram que “tiveram sorte”, pois poderia ser muito pior. Fato. Não diminui a gravidade do perigo a que todos estamos expostos nas ruas do Brasil, certos horários e locais piores do que outros, e nem pode ser usado como argumento para maquiar a percepção da realidade da Olimpíada no Rio. Mas, ao final, é o que de fato importa. Lochte foi vítima de um crime, felizmente não de uma tragédia.”
    Assalto não houve e o Lochte o que não teve no episódio foi sorte, pois já perdeu 4 patrocinadores.

    Abraços

    • André Kfouri

      Retratação por ter acreditado no que ele disse e opinado sobre algo que acontece frequentemente?

  • Ailton Souza

    Caro AK
    Com todo respeito, você é jornalista.
    Opinar sobre um fato sem provas, fazendo pré-julgamento de algo que não aconteceu, com base em informação de terceiros.

    O Lochte pensa igual a você, a história dele é sobre algo que acontece frequentemente, só que não aconteceu.
    O seu texto foi em cima de uma mentira, acaba tirando a credibilidade dele, parecendo um texto de blogueiro paulista com inveja da visibilidade do Rio de Janeiro.
    Como disse anteriormente, Texto correto para situação errada

    Se você acha que o seu texto não merece uma retratação, tudo bem é um direito seu.
    Abraços
    JURAMENTO JORNALISMO
    Juro / exercer a função de jornalista / assumindo o compromisso / com a verdade e a informação. / Atuarei dentro dos princípios universais/ de justiça e democracia,/ garantindo principalmente / o direito do cidadão à informação. / Buscarei o aprimoramento / das relações humanas e sociais,/ através da crítica e análise da sociedade,/ visando um futuro/ mais digno e mais justo/ para todos os cidadãos brasileiros./ Assim eu Juro.

    • André Kfouri

      Agora entendi. “Parecendo um texto de blogueiro paulista…”. Encerramos aqui.

MaisRecentes

Presente



Continue Lendo

Em frente 



Continue Lendo

Acordo



Continue Lendo