Teoria da sedução



Deve ser consenso que a impressão mais forte que emergiu do clássico de domingo, no Pacaembu, foi o comportamento defensivo do Palmeiras. A posição avançada de jogadores de verde acossando a saída do Corinthians, especialmente fechando os corredores de passes pelo lado direito, com Fagner, como Cuca declarou antes do jogo começar.

O que se chama de pressão alta tem diferentes objetivos, que pedem diferentes configurações, conforme a sofisticação do trabalho que um time, treinado, é capaz de executar. Pressiona-se para simplesmente obrigar o adversário a alterar a forma como sai da defesa; para cortar a circulação da bola; para desarmar; e para retomar a bola no campo de ataque.

Tudo depende de trabalho, o que leva tempo, mas, antes, depende de convencimento.

A missão mais importante de um técnico é “seduzir” seus jogadores para cumprir papeis em um plano que depende de todos. Não foi o aspecto tático que saltou aos olhos na atuação do Palmeiras no domingo, mas o aspecto anímico.

O termo remete à alma, e não deve ser confundido com palavras que pertencem ao vocabulário subjetivo do futebol, como entrega ou, algo ainda mais difícil de identificar, raça.

A intensidade com a qual os jogadores do Palmeiras se dedicaram à maneira de atuar que lhes foi solicitada indica que eles “compraram” o plano. E o rendimento coletivo que se viu em campo é um sinal de conceitos transmitidos e aplicados.

A ideia de Cuca era primeiro conter o Corinthians, e apostar na associação Gabriel Jesus-Alecsandro. Pode-se rotular a proposta como conservadora, o que faz sentido por ser um trabalho no início, em um clássico em que não perder manteria as boas sensações após a vitória sobre o Rio Claro.

O gigantismo de Prass possivelmente evitou uma derrota, o que traria os problemas conhecidos mas teria pouca relevância diante do que o Palmeiras fez como equipe. No futebol, nada é mais importante do que o bom desempenho coletivo. É isso – e apenas isso – que produz a capacidade de vencer com frequência. Só é possível avançar a partir de atuações.

O mais interessante é que o tipo de jogo que Cuca prega tende ao lado ofensivo do espectro. Construir um time de trás para frente é uma forma de estancar problemas urgentes, recuperar tranquilidade, investir em confiança e trabalhar para evoluir. O técnico palmeirense está correto ao decretar sobriedade e salientar a extensão do caminho a ser percorrido.

Mas o nível de colaboração demonstrado pelos jogadores do Palmeiras sugere o espírito que se nota em trabalhos mais longos.

O que nos leva, curiosamente, a Edgardo Bauza e o São Paulo. O técnico argentino se notabilizou por montar times mais seguros do que elaborados, orientados a partir da defesa. Entrando no quarto mês de projeto, o que se esperava era uma equipe ao menos sólida a esta altura. Ao contrário, o São Paulo segue sofrendo gols e ainda não fez uma atuação que se compare, nos pontos de vista defensivo e anímico, com o que o Palmeiras mostrou no clássico de domingo.

Isso não é um julgamento do trabalho de Bauza (seria extremamente precipitado), mas uma observação que decorre de uma surpresa que não está relacionada aos resultados, mas à forma de atuar. É possível que Bauza entenda que não dispõe dos jogadores que necessita – ele frequentemente fala em contratações no meio do ano – para formar um time que reflita sua maneira de enxergar o futebol.

Também é preciso considerar que ele pode ter encontrado mais dificuldades do que esperava.

Mas ao fim e ao cabo, o comportamento de um time de futebol é responsabilidade de quem o comanda.



  • Sergio Mendes

    post profetico, andre! Concordaria com tudo que esta escrito. E dado o contexto que foi escrito, concordo com tudo. Ontem o Sao Paulo se superou e deixa o seu texto datado. O futebol é incrivel.

  • Bruno Giosa

    Ótima leitura André. O que me preocupa é que se o Palmeiras tivesse perdido (sem o penalti defendido por Prass) talvez essa evolução não seria vista por muitos e poderia ditar até o rumo do jogo de ontem. Comento sobre o jogo de ontem no próximo post 🙂

MaisRecentes

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo

Sozinho



Continue Lendo