CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

DRIVE-THRU

“Aqui está o seu pedido. Boa noite e volte sempre”.

O maior elogio que pode ser feito à atuação da Seleção Brasileira na vitória sobre o Peru é ter lembrado o atendimento na janela do drive-thru daquela lanchonete famosa, em noites de pouca fila. O cliente ali está com tanta fome que não quer nem descer do carro. O pedido é feito pelo número, sem modificações, sem frescura. Ao parar diante da janelinha, ele não diz absolutamente nada, apenas quer o pacote o quanto antes. Perguntas que atrasam o processo (“aceita ketchup/mostarda?”) são inconvenientes, já que os malditos sachês que sujam tudo deveriam estar embalados. Passe. O. Pacote. Por. Favor. Grato.

Foi o que o Brasil fez em Salvador: entregou o pacote, com os sachês dentro, sem interferências. Um serviço limpo e competente, que resolveu os problemas urgentes e não criou adicionais. Até deixou boas sensações. Quando você decide entrar naquele corredor, mais do que saber o que quer, você sabe o que não quer. A Seleção Brasileira precisava vencer o Peru sem os dramas de um pedido demorado, o risco de uma confusão do garçom, o desprazer do prato que vem errado e é consumido a contragosto. Era para ser uma noite de rápida satisfação, e foi.

O maior mérito foi não fazer perguntas inconvenientes. A entrada de Renato Augusto reformou o sentido de organização do time, em um sistema semelhante ao que o meia do Corinthians – junto com Elias – está habituado. William e Douglas Costa, ambos em boa fase no aspecto individual, foram aproveitados de forma a poder desequilibrar a cada posse, como se sentem mais confortáveis. Neymar foi discreto? Sim. Este é um problema grave? Não. Ele contribuirá? Provavelmente, não acha? Passe o pacote, por favor.

Mas assim como há hambúrgueres melhores, há adversários mais fortes. A transferência da batata frita para a corrente sanguínea provoca pouco mais do que bem estar. Fome saciada, mas era o Peru. Boa noite e volte sempre.

DIFERENTE

O futebol às vezes entrega recompensas que são genuinamente merecidas e humanamente processadas. As lesões e o tempo perdido fizeram Renato Augusto desligar o desejo de jogar pela Seleção. Quase ao final de uma temporada disputada por inteiro, e com brilho, um gol na Fonte Nova o fez chorar. Um desafio ao mito do boleiro que vive em órbita e só pensa no bolso.

VASCO x CORINTHIANS

Fala-se nas virtudes do Brasileirão, quase sempre ressaltando a quantidade de times que o iniciam a cada ano com chance real de conquistar o título. Sim, há mais candidatos do que nas principais ligas da Europa. Mas o que realmente diferencia o campeonato é o encontro do líder com o vice-lanterna, em que quarenta e três pontos de diferença não garantem nada.



  • José Henrique

    Hoje já programei para gravar o Linha de Passe, para curtir o Trajano tentando explicar como um “time com um futebol murrinho” pode ser campeão. E, explicar como os reservas enfiaram 6 no time da “simpatia” dele.

MaisRecentes

Presente



Continue Lendo

Em frente 



Continue Lendo

Acordo



Continue Lendo