ATAÍDE X AIDAR



O presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, foi agredido na manhã desta segunda-feira pelo vice-presidente de futebol do clube, Ataíde Gil Guerreiro, em um hotel paulistano.

A briga aconteceu no hotel Radisson, onde membros da diretoria do São Paulo se encontraram para uma reunião.

A cena se deu diante de hóspedes e funcionários do hotel.

Duas pessoas com quem conversei relatam que Guerreiro acertou Aidar com um soco no rosto, derrubando o dirigente, e depois jogou-se sobre ele e apertou seu pescoço, gritando ameaças. Funcionários do hotel agiram para conter o vice-presidente, um homem consideravelmente maior e mais forte do que Aidar, e evitaram consequências piores.

Uma terceira pessoa descreve o entrevero de maneira um pouco menos violenta: enfurecido, Guerreiro levantou-se de sua cadeira gritando com o presidente são-paulino. Chegou com o dedo em riste próximo ao rosto de Aidar, ameaçando lhe “quebrar a cara”. Aidar ficou sentado, imóvel. Guerreiro fechou o punho e o encostou na bochecha de seu chefe e o empurrou, mas não desferiu o golpe com violência suficiente para machucá-lo fisicamente.

Aidar e Guerreiro podem esclarecer o nível de violência envolvido. Especialmente porque Ataíde disse a pessoas próximas a ele, logo após os fatos, que deu “um murro na cara de Carlos Miguel”. Aidar, por sua vez, nega tudo.

O motivo do desentendimento ainda é nebuloso. Fala-se em uma discordância sobre o substituto do técnico Juan Carlos Osorio, mas o que apurei é diferente.

Aidar pediu para Ataíde chegar ao hotel um pouco mais cedo do que o horário combinado com outros presentes, como o vice-presidente Julio Casares e o vice-presidente de comunicações e marketing, Douglas Schwartzmann. A discussão que levou às agressões não foi testemunhada por eles, mas conselheiros importantes do São Paulo sabem do que se trata.

É o tipo de assunto que um jornalista não pode publicar se não tiver provas documentais ou uma gravação, e que, por conta da gravidade, deveria ser objeto de deliberações no clube.

Indo quase ao limite, o que posso dizer é que Guerreiro se sentiu extremamente ofendido pelo que ouviu de Aidar antes de se levantar.

O episódio aconteceu pela manhã, mas só se tornou conhecido à noite, quando a jornalista Vera Magalhães, do blog Radar On-Line, publicou a notícia.

Este post é resultado de apurações posteriores.

Talvez não só por causa do que aconteceu no hotel, mas certamente também por isso, diretores do São Paulo se reuniram à noite. Parece óbvio que um fato como esse terá repercussão na relação profissional entre Aidar e Guerreiro.

Aguarda-se a manifestação de ambos.

Negar a agressão brutal, apesar do testemunho de quem estava no local, talvez permita – até por temor – a Carlos Miguel desviar-se da obrigação de demitir Ataíde. Seria mais um desdobramento quase inacreditável em uma gestão que se encontra em sérios apuros.



MaisRecentes

Cognição



Continue Lendo

Sete dias



Continue Lendo

Em voo



Continue Lendo