CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

DISTÂNCIA

1 – A blitz santista começou no primeiro apito e revelou ter energia para longa duração. Baseou-se na ocupação do campo de ataque e na notável capacidade de movimentação dos três atacantes, constantemente trocando de posição para confundir a vigilância corintiana.

2 – O Corinthians se sentiu preso na Vila. Não conseguia sair, tampouco marcar. Um defeito de encaixe no meio de campo provocou aflitivos – para Tite – encontros entre Ricardo Oliveira e Felipe e Geuvânio e Fágner. A bola rondava a área de Cássio com o volume que oferece perigo mesmo sem ocasiões claras.

3 – Na primeira jogada precisa, gol. Os zagueiros corintianos provavelmente ficaram maravilhados com o passe de Lucas Lima, pelo alto, à procura de Gabriel. Enquanto admiravam a trajetória da bola, permitiram que o jovem atacante se erguesse para cabecear sem ser incomodado.

4 – O domínio do Santos era tal que dava a impressão de que o Corinthians tinha um jogador a menos, ou que estava proibido de ficar com a bola.

5 – Lucas Lima criou outro gol para o Santos, no terceiro minuto do segundo tempo. Para Ricardo Oliveira, que não costuma perdê-los e, de fato, não perdeu. Foi Cássio quem evitou que a vantagem santista dobrasse de tamanho.

6 – Como é o normal em jogos deste tipo, o Corinthians se adiantou e passou a conservar a bola. Era a única maneira de realmente disputar um clássico até então desequilibrado. Faltava ser competente na região do campo em que o Santos era absoluto.

7 – Mas falhar atrás não era uma opção. A tabela entre Marquinhos Gabriel e Lucas Lima ficou óbvia a partir do momento em que Lucas foi esquecido pela marcação próxima à área. O Corinthians deu espaço e tempo a um jogador que faz muito com pouco: 2 x 0, placar merecido.

8 – O Corinthians se recusou a jogar por muito tempo. Quando tentou, não foi capaz. O Santos fez tudo certo para construir uma vantagem larga entre equipes de potencial semelhante.

APITANDO COM…

A crise do apito no futebol brasileiro chegou ao ponto em que os árbitros se voltaram contra a televisão. Cansados de ser expostos pela tecnologia de transmissão, que mostra o jogo com um nível de realismo inatingível para olhos humanos em campo, eles protestam contra as análises feitas a cada rodada. De fato, uma covardia flagrante, mas a TV não é o problema.

… O INIMIGO

O problema é quem teima em não colocar a tecnologia a serviço da arbitragem, para supervisionar o trabalho dos apitadores e assistentes, e corrigi-lo quando necessário. É a única maneira de garantir a lisura do resultado do campo e eliminar a indignação seletiva alimentada pelas teses conspiratórias. O futebol é, há muito tempo, um jogo diferente daquele que o árbitro vê.



  • José Henrique

    Lucas Lima é um jogador espetacular. Na seleção vai ser titular no lugar do Oscar com toda certeza. Um meia armador que a muito a gente não vê. Ganhou o jogo contra o Corinthians, estava em todos os lugares do campo, com uma movimentação e colocação que o fizerem “imarcável”. É jogador para Barcelona e substituir Iniesta com certeza.
    O resultado do Galo contra o Figueira, mostrou claramente porque o time perdeu a liderança.
    Time reserva sem 7 titulares. As reclamações contra o Corinthians foram para esconder a queda de rendimento do time.
    E o SPFC, perder para o Ceará, também com um time reserva, na zona do rebaixamento da B, mostra que o time não tem esquema, nem jogadas ensaiadas, e depende de um vislumbre de Pato, ou de um chute do Bastos.

  • Mauricio

    André, bom dia! Me espantei ao ver o Corinthians “abdicar” do jogo, como se sua estratégia fosse levar a decisão para Itaquera. Todo mundo sabia que o Santos atacaria com volúpia, pois é sua postura em jogos na Vila. Porém, o Corinthians não só deixou Vanderlei descansando com também deu passe livre a Lucas Lima para que jogasse como quisesse, sem ser incomodado. Posso estar enganado, mas acho que estes erros foram cruciais para esta vantage do meu querido Santos. Grande abraço e parabéns pela análise.

    • RENATO77

      Resumiu bem Mauricio.
      .

  • Ricardo

    Está chegando o momento em que os árbitros vão exigir tecnologia para trabalhar, e não vejo a hora.

  • leoatleticano

    Bom dia André.

    Estranho é a arbitragem não exigir o auxílio das arbitragens para minimizar seus erros, estranho demais, eles só pedem para que não se mostre tanto e de tantos ângulos os seus erros. Me parece que alguns erros são muito bem vindos, para não falar que são orquestrados. Sem auxílio continuam soberanos, errando por ruindade ou por conveniência.

  • RENATO77

    Embora não goste, compreendo o treinador que pense em um empate na casa do adversário jogando um mata-mata. Mas então porque não alterar a equipe que sai jogando? Altera o modo de jogar sem mudar a escalação, um erro. Joga com um meio campo “fraco” na marcação e fraco em jogo pegado como são, previsivelmente, os clássicos. E tem sido assim nos clássicos deste ano. E nada de mudança, nada de vitorias.
    Em minha opinião, devia optar ou por Renato A. ou por Jadosn nesse tipo de jogo. Apenas um meia, liberando mais um dos volantes atuais. Podem me chamar de retranqueiro a vontade.
    Também é um sofrimento jogar com dois laterais de um metro e meio cada. os adversários já perceberam isso há mais de um ano. Em geral, a estatura do time é baixa. Outro aspecto a ser observado, em jogo “pegado”, mais faltas e sofrimento nas bolas aéreas.
    Quanto ao SFC, fez sua parte e está merecidamente com a vaga na mão.
    Voltando ao Tite, o mais festejado treinador do país, pergunto o que ele irá fazer para o jogo de volta? Um jogo atípico em que já se começa com 2 gols no lombo. Contra uma equipe que vai adorar ter o contra ataque a sua disposição. Perdeu o atacante que vinha resolvendo e uma opção importante para o ataque, Rildo.
    O que ele vai fazer? Entrar com Vagner Love. Nada mais que o óbvio. Não existem coelhos na cartola de Tite. Só a sorte, isso ele tem. O único risco que o SFC corre é com a estrela de Tite.
    O que eu faria? Tres mudanças já de início, pois a circunstância pede. Entrar com um volante, Ralf ou Cristian, sai BH. Maior estatura e mais marcação no homem forte do Santos. O colombiano Mendoza no lugar de Uendel. Mais força física, velocidade e chute de meia distancia. Danilo no lugar de Malcon, estatura e experiencia.

    Tite não fará nada disso, talvez durante a partida. Tite entrará apenas com Love no lugar de Luciano. Nada mais que isso. 3 mudanças já de início, nem pensar.
    No mínimo Tite deveria mandar BH ou Elias “colar” em LL. Qualquer coisa fora disso mostrará que Tite é apenas mais um bom treinador…só que em grande fase.
    Elenco por elenco, a perda da vaga deverá ser colocada na conta do treinador do SCCP.
    Abraço.

    • José Henrique

      Renato concordo integralmente com você. Ralph como pitbull em cima do L.Lima. Deixar esse cara jogar é suicídio. Até pareceu que o Corinthians prefere disputar a sul-americana.

  • Juliano

    Bravo, AK! Finalmente o Santos começa a respirar. A chegada do Dorival foi importante (eu até gosto do Marcelo), e ele contou com sorte em sua chegada pois no Brasileirão pegou uma tabela razoável, o time saiu da ZR, começou a acreditar e foi muito bem contra o rival. Treinador e jogadores com confiança, a perspectiva realmente muda.

    Um ponto importante neste período após sua chegada: com dois jogos na televisão (Flamengo e Corinthians), o time transformou seu uniforme numa página de classificados, pagou salários e direitos de imagem atrasados e volta a respirar (ainda que por aparelhos) financeiramente também. Qualquer trabalhador renderá melhor se receber em dia. Que diferença faz a televisão, direta e indiretamente. E há quem ache justa a atual divisão de cotas, mas isso é outro assunto.

    Sobre o jogo, foi um massacre mesmo. Diria até que 2 a 0 foi pouco, ficou barato. Acho que o futebol atual do Lucas Lima já é superior ao de PHG’2010, porque o time de 2010 era um timaço! No atual time, a diferença feita por Lucas Lima é mais sentida. Além de correr o jogo todo, ser extremamente participativo. Questão pessoal (não é comparação, mas gosto): AK, gosta mais desse Lucas Lima ou de PHG’2010?

    Apesar do massacre e das duras críticas dos amigos 77 e José ao Tite, eu ainda não acredito que a vaga está garantida. Dois a zero ainda mantém o duelo em aberto. Respeito demais o Tite e o jogo de volta ele trará uma resposta à altura, então é bom que Dorival e seus comandados estejam preparados. Que o Santos consiga repetir esse tipo de atuação, e sabemos como é difícil para qualquer time no Brasil manter o mesmo padrão de desempenho, em que pese o calendário.

    Ainda que o desempenho de R. Oliveira seja infinitamente superior ao de Damião em sua passagem pelo clube e a relação custo-benefício seja incomparável, é bom que o Ricardo pare de perder gols. Não foram poucos os jogos nesta temporada em que ele falhou, o que tem custado pontos importantes para a fuga da ZR no BR’15 e poderia ter sacramentado o duelo na Copa-BR.

    Uma lástima a lesão do garoto Luciano. Vinha fazendo a diferença. Mesmo acompanhando o Corinthians à distância, não entendo Ralf e Danilo no banco, principalmente porque aqueles que estão nos seus lugares não são superiores, na minha singela opinião. Com a iminente saída de Lucas Lima no final do ano, o Danilo seria muito bem vindo.

    Caso o Santos avance, o Corinthians pode seguir tranquilo na liderança do BR’15 e fica todo mundo feliz.

    Abraço!

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo