COLUNA DA TERÇA



(Publicada ontem, no Lance!)

INSTAGRAM

Aaron Davidson pode ser considerado peixe pequeno no escândalo de corrupção na FIFA. O executivo americano de 44 anos, presidente da Traffic Sports USA, foi o primeiro indiciado no episódio – após as prisões em Zurique – a se entregar às autoridades americanas. Davidson depositou fiança de 5 milhões de dólares no final de maio, valor garantido pelo apartamento onde vive em Miami, além de bens em nome de seus pais na Flórida e no Texas.

A rotina atual do executivo habituado a constantes viagens em jatos particulares está restrita ao endereço onde mora, do qual só pode sair com autorização prévia do FBI, para suas obrigações com a lei, consultas médicas e atividades religiosas. Davidson não pode nem mesmo frequentar a academia de ginástica de seu condomínio se a tornozeleira eletrônica que monitora sua localização não funcionar no local.

Pessoas como Aaron Davidson – e como o brasileiro José Hawilla, posicionado bem acima do americano na cadeia alimentar – estão de um lado do esquema de pagamento de propina que assegurou direitos de exploração e transmissão de eventos esportivos por décadas. Do outro lado aparecem os dirigentes que agiam como catracas remuneradas para selecionar os acessos e os privilégios. Se para cada ato de corrupção é preciso haver corruptores e corrompidos, neste caso os papeis estão bem definidos e evidentes.

Os valores impressionam, especialmente entre os que traficaram influência apoderando-se de algo que não lhes pertence. Os abnegados cartolas do futebol mundial, esses benfeitores que por gerações abdicaram da vida familiar e dos próprios negócios em nome do desenvolvimento do esporte, foram forçados pela polícia federal dos Estados Unidos a revelar um estilo de vida que faz inveja a herdeiros que jamais trabalharam e passam o tempo exibindo-se no Instagram.

Tomemos o caso de Jeffrey Webb, presidente da CONCACAF e vice-presidente da FIFA até ser banido de suas posições por causa do escândalo. O cartola das Ilhas Cayman foi o primeiro, e até o momento, o único, dos sete presos no Baur Au Lac a concordar em ser extraditado para os Estados Unidos. Em uma corte nova-iorquina, anteontem, Webb pagou fiança de 10 milhões de dólares para ter o direito de aguardar o processo em prisão domiciliar. Seu “pacote de soltura” consiste em dez imóveis em seu nome e de familiares, três carros, jóias e relógios de alto valor.

Além de entregar seu passaporte às autoridades, Webb foi obrigado a vestir as tornozeleiras da realidade e está proibido de residir a mais de vinte milhas de distância de uma corte no Brooklyn, em Nova York. Ele não pode manter qualquer tipo de contato com uma relação de pessoas investigadas no caso, enquanto aguarda sua próxima aparição diante do juiz, em agosto. Repentinamente, o Instagram perdeu a graça e os resorts caribenhos à beira-mar parecem distantes.

O mesmo vale para a estonteante coleção de arte de um conhecido político do esporte brasileiro, que por enquanto prefere sua cela nos arredores de Zurique a um voo escoltado aos Estados Unidos, onde a vida sob as regras da Justiça seria um pouco mais confortável, mas certamente mais humilhante.

RAÇA?

Quando deixaremos de analisar atuações com base na quantidade de “vontade” demonstrada por uma equipe ou um jogador? Passa pela cabeça de alguém que um profissional do futebol não queira vencer, que opte pelo resultado que não lhe interessa? Ao nos concentrarmos no esforço aparente, supervalorizamos uma demonstração e ignoramos os aspectos verdadeiramente importantes. Além de criarmos “modelos de desempenho” baseados em premissas erradas. Quem reclama de falta de vontade não pode reclamar de falta de futebol.

HIERARQUIA

Nielson Nogueira Dias trabalhou como quarto-árbitro na merecida vitória do Sport sobre o São Paulo. Pouco depois da expulsão de Juan Carlos Osorio, Dias se esquivou para evitar ser tocado pelo técnico colombiano, que tentava lhe dizer algo. Um gesto antipático ao extremo, típico de quem se considera superior. Dias é capitão da Polícia Militar de Pernambuco.



MaisRecentes

Vitória com bônus



Continue Lendo

Anormal



Continue Lendo

Saída



Continue Lendo